Questionada a legitimidade do ex-Presidente peruano

Japão sabia desde 1997 que Alberto Fujimori é japonês

Em 1997, o embaixador japonês em Lima leu o registo familiar de "el Chino", descobrindo a sua verdadeira nacionalidade
Foto
Em 1997, o embaixador japonês em Lima leu o registo familiar de "el Chino", descobrindo a sua verdadeira nacionalidade Fidel Carrillo/AFP

Um antigo diplomata japonês, Shitaka Ogura, revelou hoje em Tóquio que a Embaixada do Japão em Lima estava informada desde 1997 da nacionalidade japonesa do Presidente destituído do Peru, Alberto Fujimori, mas que o Japão não quis divulgar a informação.

"Já sabia há mais de três anos [que o ex-Presidente detinha a nacionalidade japonesa], pois quando a nacionalidade de Alberto Fujimori foi alvo de interrogações [na imprensa peruana], li o registo familiar que o seu irmão Santiago me enviou", disse à rádio RPP Shitaka Ogura, que na altura era primeiro secretário da embaixada japonesa em Lima. A dúvida foi suscitada em Julho de 1997, quando a jornalista Cecilia Valenzuela pôs Fujimori em causa por ter nascido no Japão e ter mentido ao país sobre a sua nacionalidade.Ontem, Tóquio confirmou que Fujimori, destituído a 23 de Novembro e refugiado no Japão, detém a nacionalidade japonesa porque os seus pais, que nos anos 30 emigraram para o Peru, fizeram o registo do seu nascimento no consulado japonês de Lima em 1938 e apresentaram um pedido para que o filho tivesse a sua nacionalidade.
O anúncio de Tóquio suscitou mal-estar e indignação em Lima, e houve mesmo quem pusesse em causa a legitimidade das decisões tomadas por Fujimori durante os dez anos que durou o seu regime. Ogura explicou que não divulgou a informação porque na época era diplomata em Lima "e não podia pronunciar-se sobre um assunto privado".