Em Arcos de Valdevez, a velha casa de guarda vai ser a nova “porta de entrada” no território

Em ruínas, a casa no monte Nossa Senhora do Castelo entrará em obras para, renovada, abrir como centro interpretativo e pavilhão.

Foto
A abandonada casa de guarda CM Arcos de Valdevez
Ouça este artigo
00:00
01:53

A Câmara de Arcos de Valdevez vai transformar a antiga casa do guarda no monte Nossa Senhora do Castelo em centro interpretativo e pavilhão multiúsos para valorização turística do território de Santa Cruz, foi esta quarta-feira divulgado.

Em comunicado, a autarquia do distrito de Viana do Castelo explicou que a intervenção, que vai ser submetida a concurso público pelo preço base de 281.120 euros, pretende "recuperar e requalificar a antiga casa do guarda e respectivos anexos, assim como a construção de um pavilhão multiúsos".

O projecto integra o Plano Estratégico de Desenvolvimento do Oeste do concelho, iniciado em 2018, tem como objectivo "a valorização do património natural, com um valor excepcional do ponto de vista paisagístico e cultural, assim como, a afirmação e o aprofundamento da vocação turística do designado território de Santa Cruz".

"Este projecto será simbolicamente a porta de entrada do território abrangido pelo plano estratégico", refere a nota, adiantando que vai ser nessa porta que será criado "um centro interpretativo e de recepção para o visitante e melhoradas as condições para a prática de actividades de ar livre no território de Santa Cruz".

A requalificação da Casa do Guarda no Monte Nossa Senhora do Castelo é co-financiada pelo Programa Operacional do Plano de Desenvolvimento Regional (PDR) 2020 com 114.673,52 euros.

O Plano Estratégico de Desenvolvimento do Território Oeste do concelho de Arcos de Valdevez engloba as freguesias de Extremo, Padroso, Eiras, Mei, Sabadim, Rio de Moinhos, Senharei, Rio Frio, Vila Fonche, Monte Redondo, Miranda, Cendufe, Padreiro Santa Cristina, Padreiro Salvador e, Rio Cabrão.

O plano "pretende desenvolver um espaço destinado a fruição pública, contribuindo para a protecção, valorização e dinamização dos patrimónios naturais e culturais existentes, fomentando o lazer, o turismo e o desenvolvimento sustentável com inovação da base económica produtiva local".

Sugerir correcção
Comentar