As histórias por detrás das fotografias que marcaram 2023

Guerras, desastres naturais, crises humanitárias e migratórias. A Reuters perguntou aos seus fotógrafos o que está por detrás das fotografias mais marcantes do ano.

Homem carrega o corpo de Sali, de cinco anos, uma menina palestiniana que perdeu a vida num bombardeamento israelita. A sua tia, Inas Abu Maamar, de 36 anos, chora a sua morte durante o funeral, em Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza, no dia 17 de Outubro de 2023. REUTERS/Mohammed Salem
Fotogaleria
Homem carrega o corpo de Sali, de cinco anos, uma menina palestiniana que perdeu a vida num bombardeamento israelita. A sua tia, Inas Abu Maamar, de 36 anos, chora a sua morte durante o funeral, em Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza, no dia 17 de Outubro de 2023. REUTERS/Mohammed Salem

Do terramoto na Turquia à guerra na Ucrânia, da crise migratória na fronteira dos EUA ao conflito em Israel e na Faixa de Gaza, os fotógrafos da Reuters assistiram a tudo. A agência Reuters perguntou-lhes o que aconteceu no momento em que clicaram no botão das suas câmaras fotográficas, numa selecção que considera conter as imagens e acontecimentos mais marcantes ou visualmente interessantes do ano de 2023.

O fotógrafo libanês Mohammed Salem, que cobre a destruição e crise humanitária que se vive na Faixa de Gaza às mãos do governo e exército israelitas, não esquecerá o dia do funeral de uma das mais de seis mil crianças que perderam a vida na sequência de um bombardeamento israelita. Saly tinha apenas cinco anos. A sua tia, de 36 anos, segurava nos braços a criança sem vida, enrolada num lençol, antes de ela ser transportada pelo homem que se vê na imagem, a 17 de Outubro, em Khan Younis, Gaza. "Foi um momento poderoso e triste, e sinto que a fotografia resume, de forma ampla, o que se está a passar em Gaza", explicou à agência noticiosa internacional. "As pessoas estavam confusas, a correr de um lado para o outro, ansiosas por saber o que tinha acontecido aos seus familiares; esta mulher chamou a minha atenção quando estava a segurar o corpo da menina, recusando-se a largá-la."

Na Ucrânia, mais propriamente em Bakhmut, o fotógrafo Oleksandr Ratushniak assistiu a um momento de despedida entre uma criança de seis anos, Arina, e o seu avô. As forças russas tinham invadido Bakhmut em Janeiro e a mãe de Arina pediu às autoridades que levassem a criança da casa dos avós para um outro lugar, outra cidade. Inicialmente, os avós não queriam deixá-la ir. "Eu percebi que eles não queriam deixá-la ir porque a amam, mas no final entenderem que, se a amavam, tinham de deixá-la", recorda o fotógrafo. Arina é uma das 11 milhões de pessoas que foram forçadas a abandonar as suas casas devido à invasão russa, desde Fevereiro de 2022.

Outras imagens, não tão historicamente relevantes mas de grande impacto visual, compõem o conjunto de fotografias cuidadosamente editado pela Reuters, nomeadamente as que descrevem a lua cheia sobre o Templo de Poseidon, em Atenas, ou que aludem ao lançamento falhado do último vaivém espacial de Elon Musk, no Texas, EUA. O momento exacto em que uma tenista torce um tornozelo no Roland Garros e o arco-íris que se formou sobre um gigantesco reservatório de água em Inglaterra também entram na selecção.

Um homem corre por entre espuma do mar enquanto uma frente fria se movia da Península do Cabo, na sequência de uma semana de mau tempo e inundações na Cidade do Cabo, África do Sul, 19 de Junho de 2023. O fotógrafo Nic Bothma molhou-se ao tirar a fotografia da espuma marítima. Quando a frente de frio sazonal se aproximou, identificou uma baía que seria, provavelmente, afectada pela ondulação e ventos fortes, e esperou que o mar subisse. "Felizmente, isto também coincidiu com a luz de final de dia, que embelezou a fotografia", conta. Em busca de um ângulo imersivo, observou o oceano e posicionou-se no momento certo com uma objectiva grande angular. "Tinha a minha câmara coberta com o meu casaco devido às condições meteorológicas e só a usei poucos segundos para captar esta imagem. Mesmo assim, a objectiva e o corpo da câmara ficaram cobertas de espuma", contou. "Fiquei muito molhado, apesar de estar equipado para a chuva."
Um homem corre por entre espuma do mar enquanto uma frente fria se movia da Península do Cabo, na sequência de uma semana de mau tempo e inundações na Cidade do Cabo, África do Sul, 19 de Junho de 2023. O fotógrafo Nic Bothma molhou-se ao tirar a fotografia da espuma marítima. Quando a frente de frio sazonal se aproximou, identificou uma baía que seria, provavelmente, afectada pela ondulação e ventos fortes, e esperou que o mar subisse. "Felizmente, isto também coincidiu com a luz de final de dia, que embelezou a fotografia", conta. Em busca de um ângulo imersivo, observou o oceano e posicionou-se no momento certo com uma objectiva grande angular. "Tinha a minha câmara coberta com o meu casaco devido às condições meteorológicas e só a usei poucos segundos para captar esta imagem. Mesmo assim, a objectiva e o corpo da câmara ficaram cobertas de espuma", contou. "Fiquei muito molhado, apesar de estar equipado para a chuva." REUTERS/Nic Bothma