PJ recupera em Valongo uma bebé traficada do Brasil por português

A bebé “está em boas condições de saúde, tendo sido entregue em casa de acolhimento”, assegura a PJ. Suspeito foi detido no Brasil por tráfico de seres humanos.

Foto
Suspeito foi detido pela PJ Daniel Rocha
Ouça este artigo
00:00
00:33

A Polícia Judiciária (PJ) identificou e recuperou em Portugal uma bebé de três meses que terá sido trazida do Brasil por um português entretanto detido naquele país por tráfico internacional de seres humanos.

A menor foi localizada em Valongo, no distrito do Porto, para onde o suspeito a transportou no final de Outubro ao regressar de uma primeira viagem ao Brasil, adiantou a PJ em comunicado às redacções ao início da tarde desta terça-feira. A bebé estava em boas condições de saúde na companhia do marido do suspeito, “tendo sido entregue em casa de acolhimento”.

Uma fonte da PJ dissera já à Lusa que o português voltou ao Brasil no final de Novembro, tendo em vista trazer para Portugal um outro recém-nascido. Foi então que a Polícia Federal brasileira abriu uma investigação que conduziu à detenção do indivíduo na segunda-feira.

Trata-se de um homem de 50 anos, empresário, sem antecedentes criminais e suspeito dos crimes de tráfico internacional de pessoas e de falsificação de documentos. As autoridades brasileiras e portuguesas acreditam que terá pago para se registar como pai da menina, com recurso a documentos falsos, que também terão sido usados para poder viajar com a recém-nascida para Portugal.

Em Novembro terá seguido o mesmo método, segundo a Polícia Federal, ao registar-se como pai de um bebé do sexo masculino num hospital de Valinhos, no Estado de São Paulo. O menino ainda se encontra hospitalizado.

No primeiro interrogatório, o português terá dito que queria adoptar uma criança em Portugal, mas não conseguiu. Por isso, disse a delegada Estela Beraquet Costa, “buscou outro caminho”. Só que, sublinhou a responsável da polícia brasileira, “isso não é adopção, isso é tráfico internacional de crianças”. O homem ficou em prisão preventiva.

O seu marido, um homem de 44 anos que a PJ diz também não ter antecedentes criminais, foi detido e interrogado nesta terça-feira.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários