Sem dinheiro e comida. Fim da apanha da azeitona aumentará imigrantes sem abrigo em Beja

Centenas de imigrantes vivem em condições precárias, em quartos sobrelotados. Muitos vivem na rua, sem trabalho e sem dinheiro. O PÚBLICO acompanhou uma equipa da Cáritas durante um dia, em Beja.

Kulwinder, emigrande da India e utente da Sala de Drop In das Casa do Estudante da Cáritas Diocesana de Beja. Recebem pessoas em situação de Sem-abrigo da zona de Beja, tendo disponivel, banhos, sala de actividades bem como assistência social e cozinha.
Fotogaleria
Muitos timorenses foram acolhidos na Casa do Estudante, em Beja. Foi doada à Cáritas de Beja para lá se instalar um Centro de Acolhimento Ana Brígida
Emigrantes de Timor na residência de emergência da Cáritas Diocesana de Beja.
Fotogaleria
Muitos timorenses foram acolhidos na Casa do Estudante, em Beja Ana Brígida

Com o fim da apanha da azeitona que se espera para os próximos dias, este ano condicionada por uma quebra drástica no volume de produção, espera-se que o número de imigrantes sem abrigo aumente nas ruas de Beja e nos concelhos limítrofes de Serpa, Ferreira do Alentejo, Cuba e Vidigueira.

Sugerir correcção
Ler 46 comentários