Bailado para duas personagens com realizador ao fundo

O Trio em Mi Bemol, que adapta uma peça de Eric Rohmer, permitiu a Rita Azevedo Gomes sair do seu sítio habitual.

cultura,ipsilon,eric-rohmer,cinema-portugues,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Basilisco Filmes
cultura,ipsilon,eric-rohmer,cinema-portugues,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Basilisco Filmes
cultura,ipsilon,eric-rohmer,cinema-portugues,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Basilisco Filmes
cultura,ipsilon,eric-rohmer,cinema-portugues,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Basilisco Filmes
,O Trio Kegelstatt
Fotogaleria
Basilisco Filmes

O último filme de Rita Azevedo Gomes comercialmente estreado foi A Portuguesa, uma adaptação de Musil por via de uma tradução de Agustina Bessa-Luís. Depois ficou sem estreia comercial (e é pena), Danças Macabras, Esqueletos e Outras Fantasias, construído em torno do recentemente falecido historiador de arte francês Jean-Louis Schefer, num périplo pelos prenúncios do apocalipse inscritos na arte medieval (e pensando agora nele, que teve as primeiras exibições em 2019, era também um misterioso prenúncio da era pandémica que estava a meses de começar).

Sugerir correcção
Comentar