O chef exterminador

O Menu é uma sátira maldisposta, divertida e pontualmente perturbante às desigualdades sociais e à gastronomia de luxo, com Ralph Fiennes em grande forma.

ipsilon,ralph-fiennes,critica-cinema,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
O Menu é um filme à medida dos tempos que vivemos
ipsilon,ralph-fiennes,critica-cinema,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
O Menu
Ralph Fiennes in THE MENU. Photo by Eric Zachanowich. Courtesy of Searchlight Pictures. © 2022 20th Century Studios All Rights Reserved.
Fotogaleria
O Menu Eric Zachanowich

Não se pode dizer que O Menu seja um filme surrealista, mas o facto de nos ter vindo à cabeça o Anjo Exterminador de Luis Buñuel, e a sua premissa de um grupo de pessoas presas num jantar do qual não podem sair, não é exactamente um acaso. A bem dizer, a fita do britânico Mark Mylod está mais próxima da sátira maldisposta de Adam McKay, o realizador de A Queda de Wall Street e Não Olhes para Cima, que é um dos seus produtores, e isso detecta-se no modo como articula a sua sátira ao “um por cento” da população mundial. Neste caso, as estrelas de cinema, os empresários hipócritas, os milionários da tecnologia, o pessoal que tem dinheiro que chegue para ir comer ao restaurante hiperexclusivo do chefe Julian Slowik o seu premiado menu de degustação misto de gastronomia molecular e cozinha do terroir. O que o chefe preparou para esta noite, contudo, é um menu literalmente de cair para o lado – porque O Menu é comédia negra mista de thriller perverso, sátira às desigualdades mas também à gastronomia de elite (Chef’s Table desconstruído de dentro para fora), que faz a pergunta: “deve-se fazer alguma coisa apenas porque se pode fazê-la?”

Sugerir correcção
Comentar