Richarlison, habituado a fazer a diferença

Depois de marcar os dois golos na estreia vitoriosa do Brasil, o avançado do Tottenham vai ganhar importância suplementar na equipa de Tite depois da lesão de Neymar.

Foto
Richarlison marcou os dois golos da vitória do Brasil Reuters/AMANDA PEROBELLI

O Brasil em Mundiais de futebol é sempre promessa de espectáculo, nunca uma garantia. Os primeiros 60 minutos da “canarinha” no Qatar não estavam a ser, propriamente, espectaculares. Dominadores, sim, mas sem sair do 0-0 com a Sérvia, e, nestas condições, estava condenado a ser um jogo que nunca existiu, como dizia Nelson Rodrigues dos jogos sem golos. Mas, aos 62’, o jogo ganhou direito a existir. Neymar furou pela área, Vinicius Jr. ficou com a bola, rematou, Milinkovic-Savic defendeu para onde não devia e Richarlison, oportuno, fez o 1-0. Dez minutos depois, “Vini” furou pela esquerda viu Raphinha do lado contrário e endereçou-lhe a “rendondinha”.

Sugerir correcção
Comentar