E ao sétimo dia, Cláudia Dias não descansou

Uma integral no Teatro Municipal do Porto encerra o ciclo que a coreógrafa concebeu para pôr um ponto final na sua carreira. Afinal, segue-se um mergulho de dez anos no neo-realismo português.

Foto
Cláudia Dias encerra agora definitivamente um ciclo de trabalho de sete anos de que resultaram cinco espectáculos e três livros ADRIANO MIRANDA

Não era bluff, garante Cláudia Dias, revisitando o momento, pós-traumático a vários níveis, em que decidiu que a sua carreira enquanto bailarina e coreógrafa chegaria ao fim em 2022 – e que a contagem decrescente se faria ao ritmo de uma estreia por ano, somando sete novos espectáculos, tantos quantos os dias da semana, sem pausa para descansar.

Sugerir correcção
Comentar