Mulheres à beira de um ataque

A história verídica das Amazonas de Daomé contada num filme escrito, dirigido e conjugado no feminino.

ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Espectáculo eficaz e correcto mas sem alma nem garra
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Ilze Kitshoff
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Ilze Kitshoff
,século 19
Fotogaleria
Ilze Kitshoff

Um filme de acção, ou antes, uma história de guerra, que se pretende realista, ancorada nas histórias que se contam sobre as Agojie, ou Amazonas de Daomé, imbatível corpo militar feminino que existiu realmente até ao início do século XX? No papel, absolutamente nada contra, até com algum apetite ao saber que à frente do elenco (e da produção) estava a sempre excelente Viola Davis, e que uma das suas guerreiras é Lashana Lynch, a agente que “herdou” o nome de código 007 em Sem Tempo para Morrer.

Sugerir correcção
Comentar