Ximenes Belo, a queda (e a denegação da queda) de um herói da resistência timorense

A Igreja Católica foi um pilar da resistência em Timor-Leste e o então bispo de Díli era não só uma autoridade religiosa mas um símbolo eminentemente político.

Timor não acredita que um dos heróis da sua independência, “condecorado”, em conjunto com o actual Presidente da República Ramos-Horta, com o Nobel da Paz, tenha sido acusado de abuso de menores – e alvo de sanções por parte do Vaticano, uma delas a de ficar longe de Timor e de cidadãos menores de idade.

Sugerir correcção
Ler 9 comentários