Os retratos de Dalton Paula no Museu de Arte de São Paulo tornam presentes ausências

Tornar actuantes no presente figuras que, lá de trás do passado, se fazem ouvir no nosso tempo. E, de algum modo, ainda o tentam salvar.

Foto
Paulo Rezende

São raros na história da arte, prolongada nos cânones ortodoxos e ocidentais da beleza, retratos de pessoas negras, indígenas ou de comunidades que foram assumidas como figuras heróicas de algum momento histórico ou político. Esta ausência é um prolongamento da invisibilidade artística, cultural, política e social que tem sido, regra geral, a condição destes indivíduos.

Sugerir correcção
Comentar