Com ministra da Coesão sob fogo, PS admite rever a lei dos impedimentos dos políticos

Deputada do PS queria que críticas e pedido de demissão de Ana Abrunhosa da IL e Chega fossem apagados. Empresas de marido da ministra receberam 200 mil euros de fundos públicos.

Foto
Ana Abrunhosa, ministra da Coesão Territorial, emocionou-se durante a comissão parlamentar LUSA/TIAGO PETINGA

Não foi um “dia fácil” para a ministra da Coesão Territorial, mas o cerco de que foi alvo por causa dos cerca de 200 mil euros de fundos públicos que duas empresas do marido receberam já quando Ana Abrunhosa estava no Governo não vai ficar por aqui. Para além de o seu caso passar a ser mais uma “nódoa” no Governo (e começará já esta quinta-feira a ser arma de arremesso no debate com o primeiro-ministro), como avisou o liberal Carlos Guimarães Pinto, o Chega anunciou que vai pedir um parecer à Comissão de Transparência e requerer uma investigação ao Tribunal de Contas sobre os processos dos pedidos de fundos.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários