Com “contas certas”, para onde?!

O poder político actual tem de ultrapassar uma dificuldade que o parece dividir e por vezes paralisar: entender o papel dos elementos mais dinâmicos da sociedade civil — em particular investidores e empresários — como um dos motores de desenvolvimento económico e social.

Foto
António Costa e Fernando Medina na votação, na generalidade, da proposta de Orcamento do Estado para 2022 Nuno Ferreira Santos

1. Uma avaliação dos bloqueios e dos desafios com que a nossa economia está hoje confrontada passa necessariamente por ter presentes as implicações das grandes transformações que estão a ocorrer aos nossos olhos — a desglobalização e a emersão de um novo equilíbrio geopolítico; as dramáticas mudanças climáticas; o fim do “mundo neoliberal”.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários