“A arte morreu, meu. A inteligência artificial ganhou” — um sismo nas artes visuais

Midjourney, DALL-E ou Disco Diffusion mudaram tudo quando tornam uma simples frase numa imagem em poucos minutos. Empregos em risco ou promoções à vista? No festival português Trojan Horse was a Unicorn, artistas de topo e aspirantes partilham preocupações e (algum) optimismo.

RG Rui Gaudêncio - 21 Setembro 2022 - Festival Trojan Horse Was a Unicorn . Artista Sul Coreano Kim Jung Gi. Tróia. Público
Fotogaleria
O artista sul-coreano Kim Jung Gi, a desenhar ao vivo no Trojan Horse was a Unicorn Rui Gaudêncio
RG Rui Gaudêncio - 21 Setembro 2022 - Festival Trojan Horse Was a Unicorn . Artista Sul Coreano Kim Jung Gi. Tróia. Público
Fotogaleria
Kim Jung Gi
RG Rui Gaudêncio - 21 Setembro 2022 - Festival Trojan Horse Was a Unicorn . Artista Sul Coreano Kim Jung Gi. Tróia. Público
Fotogaleria
Artista Sul Coreano Kim Jung Gi.

Quando estas palavras forem lidas, já muito mudou. Outra vez. Desde as conversas com os artistas de topo e em ascensão reunidos no festival Trojan Horse was a Unicorn (THU), que termina este sábado em Tróia, a inteligência artificial (IA) que aprende exponencialmente já acrescentou novas perguntas, possibilidades e medos aos ilustradores, concept artists e artistas em geral sobre o futuro do seu trabalho — e do seu emprego. É a conversa que domina o sector. Os entusiastas, como o supervisor de arte virtual Meats Meier, resumem a coisa assim: “O que raio aconteceu nos últimos dois anos? Houve uma pandemia e ficámos presos em casa e quando saímos há artistas tão bons ou melhores do que nós? Tentei ser amigo deles, antes que me matem.” A sala cheia para a qual falava riu-se nervosamente. Alicia Brossard, aspirante a artista na assistência, confessou ao PÚBLICO: “Saí daqui ainda mais amedrontada.”

Sugerir correcção
Ler 4 comentários