Microplásticos vistos pela primeira vez na água que se acumula nas plantas

Cientistas descreveram presença inédita de filamentos plásticos em plantas que acumulam, entre as folhas, a água da chuva. Estes reservatórios temporários estariam, em teoria, intocados por estes poluentes.

microplasticos,azul,plantas,eslovaquia,poluicao,
Fotogaleria
Pequenos reservatórios de água formam-se nas folhas de plantas do género Dipsacus Katarína Fogašová/DR
microplasticos,azul,plantas,eslovaquia,poluicao,
Fotogaleria
Não foram encontradas outras fontes de contaminação directa em Demjata, a zona verde no Leste eslovaco onde foram recolhidas as amostras Katarína Fogašová/DR

As plantas do género Dipsacus possuem folhas que crescem a partir do caule em direcções opostas – uma disposição curiosa que forma uma concavidade, um pequeno “copo capaz de armazenar a água da chuva. Cientistas que estudavam estes reservatórios naturais na Eslováquia depararam-se com algo tão inesperado como preocupante: a presença de microplásticos.

O que mais nos surpreendeu [nesta investigação] foi a presença de microplásticos. Se pensarmos nisso agora, vemos que até é muito óbvio praticamente todos os tipos de ambientes já estão contaminados, como mostram vários estudos. Ainda assim, foi uma surpresa para nós: não tínhamos ainda encontrado microplásticos até hoje nesses pequenos ecossistemas temporários”, afirma ao PÚBLICO Jozef Oboňa, professor assistente no Departamento de Ecologia da ​Universidade de Presov, na Eslováquia. Oboňa é um dos três autores de um estudo, publicado recentemente na revista científica BioRisk, que descreve a descoberta.

Fragmentos minúsculos de plástico são um elemento extremamente novo na história da vida na Terra. Contudo, apesar da brevíssima presença deste material na linha de tempo geológica, este já conseguiu infiltrar-se em quase todos os ecossistemas terrestres. Sobejam descrições na literatura científica da omnipresença dos microplásticos.

Os plásticos têm presença assídua nos cursos fluviais e nos solos que permitem o cultivo de alimentos. E, por terem impregnado tanto a comida humana como animal, também já habitam os nossos corpos. Da corrente sanguínea às águas do Árctico, estes poluentes não poderiam estar mais perto e, ao mesmo tempo, tão longe de nós. Agora, investigadores identificaram pela primeira vez a presença de filamentos plásticos em reservatórios de plantas que, supostamente, deveriam estar intocados por estes poluentes.

Os três investigadores na Eslováquia dedicaram-se ao estudo destas minúsculas “piscinas” naturais que se formam na junção das folhas com o caule. Estas estruturas botânicas “são um microcosmo aquático relativamente comum, mas negligenciado”, lê-se no estudo da BioRisk.

Além de merecerem pouca atenção – pelo menos até agora –, estes reservatórios são efémeros: duram apenas três a quatro meses. Foi nesse intervalo que os cientistas se debruçaram sobre as plantas do género Dipsacus, com o objectivo de conhecer melhor os organismos aquáticos que ali habitam.

Ao analisar as amostras de água, a equipa da Universidade de Presov deparou-se com vários fragmentos e fibras coloridas de diferentes tamanhos (um deles chegava mesmo a medir 2,4 milímetros). O trio de cientistas analisou estes elementos inesperados e concluiu que se tratava de microplásticos.

Microplásticos encontrados pela primeira vez em reservatórios naturais de água em folhas de plantas Katarína Fogašová/DR
Microplásticos encontrados pela primeira vez em reservatórios naturais de água em folhas de plantas Katarína Fogašová/DR
Microplásticos encontrados pela primeira vez em reservatórios naturais de água em folhas de plantas Katarína Fogašová/DR
Fotogaleria
Katarína Fogašová/DR

Mistério por resolver

Face à descoberta, uma nova questão emergiu da investigação: como é que a água que se acumula nas plantas poderia estar contaminada? Não foram encontradas outras fontes de contaminação directa em Demjata, a zona verde no Leste eslovaco onde foram recolhidas as amostras. A equipa conjectura que os microplásticos podem ter vindo do ar poluído.

Há ainda outra possibilidade: os caracóis, que adoram trepar pelo caule destas plantas, podem talvez transportar filamentos plásticos do solo ou de outras plantas até aos reservatórios. Ou pior: os gastrópodes podem mesmo já carregar microplásticos dentro dos próprios corpos. Nenhuma das hipóteses aventadas foi confirmada e, por isso, o mistério da contaminação persiste.

Apesar de não haver conclusões sobre a origem dos microplásticos - para o efeito, mais estudos serão necessários -, os investigadores acreditam que o artigo agora publicado é relevante não só por descrever a presença destes poluentes na água que se acumula nas plantas, mas também por propor um novo modelo de indicador biológico para a detecção de poluição plástica.

Foto
Caracol "passeando" pelo caule espinhoso da planta do género Dipsacus Katarína Fogašová/DR

Encontramos acidentalmente uma nova maneira possível de monitorizar a contaminação por microplásticos em períodos sequenciais de tempo. As estruturas da planta que estudamos surgem sequencialmente, uma após a outra, e existem por períodos de tempo relativamente curtos. Assim, se seleccionarmos uma amostra adequada, estas estruturas botânicas constituem ‘dispositivos inteligentes de recolha natural’ e, a partir dos resultados, podemos obter informações sobre a natureza temporal e espacial da contaminação microplástica”, explica Jozef Oboňa ao PÚBLICO. ​

Na perspectiva dos cientistas, este novo modelo de recolha de amostras é brilhante. Isto porque faz uso de estruturas que ocorrem naturalmente na natureza, não implica custos laboratoriais avultados e inspira-nos a compreender melhor a poluição plástica.

Com base neste princípio natural, acessível e inspirador , podemos criar dispositivos de monitorização artificial eficientes e baratos de fabricar (ou financiar). Eles podem ajudar cientistas, profissionais e pessoas comuns a entender o problema da contaminação por microplásticos. Basicamente, basta um microscópio, uma pipeta ou seringa e alguns conhecimentos básicos”, afirma o cientista.

Para os investigadores, este modelo pode ser usado na divulgação científica e até tornar-se popular em actividades nas escolas, comunidades locais e associações ligadas ao ambiente. Os autores também esperam que o estudo seja mais um contributo para que avance uma regulação internacional sobre a produção e gestão dos plásticos.

O impacto dos microplásticos na saúde humana não está completamente claro, mas é mais do que provável que o ataque constante de tais substâncias estranhas ao organismo sobrecarregue o nosso sistema imunológico. Mais tarde ou mais cedo, [o acúmulo de microplásticos] pode levar ao limite a capacidade do nosso corpo e desencadear problemas. Portanto, é necessário falar sobre este problema e tomar medidas para minimizar a formação e disseminação de microplásticos nos ecossistemas”, conclui Jozef Oboňa.