As saudades matáveis

Nós, os portugueses, preferimos ter saudades das coisas que ainda existem.

Escrevi a minha tese sobre a saudade, mas a saudade tem muito que se lhe diga – e não se pode saber por onde ela anda sem lhe dar o tempo que ela está sempre a pedir.

Sugerir correcção
Ler 21 comentários