O que fazer com os 35 crânios decapitados em Timor que estão guardados em Coimbra?

A performance Fanun Ruin traz as questões da pós-memória comuns aos artistas nascidos e criados num contexto pós-colonial. Por aqui passa a história da oposição timorense ao império português.

Foto
Performance "Fanun Ruin", que em tétum significa “chamar ossos”, é dirigida e interpretada por Zia Soares

Terá sido a primeira colecção de restos humanos recebida por museus portugueses. Trinta e cinco crânios decapitados que viajaram em 1882 até à Universidade de Coimbra vindos da parte oriental da ilha de Timor, então uma colónia portuguesa, e aí permaneceram nos últimos 140 anos num armário do Departamento de Antropologia.

Sugerir correcção
Ler 4 comentários