A invenção dos brasileiros

Para haver um Brasil independente, no qual tivesse lugar a representação nacional, era necessário que existissem brasileiros. Este é mais um dos ensaios que marcam este mês de Agosto, no ano em que se assinala o bicentenário da independência do Brasil.

Foto
Colonizadores portugueses no Brasil, circa 1820 (in "Voyage Pittoresque et Historique au Bresil", Jean-Baptiste Debret) Hulton Archive/Getty Images

“Chamamos Braziliense, o natural do Brasil; Brasileiro, o português europeu ou o estrangeiro, que lá vai negociar ou estabelecer-se; seguindo o gênio da língua portuguesa, na qual a terminação eiro denota a ocupação; exemplo sapateiro o que faz sapato; (…) brasileiro o que negocia em brasis ou gêneros do Brasil (…) desde que começamos a escrever este Periódico, limitamos o derivado brasiliano, para os indígenas do país, usando do outro braziliense, para os estrangeiros e seus descendentes ali nascidos ou estabelecidos; e atuais possuidores do país.” (Hipólito J. da Costa, Correio Brasiliense, n.º 165, março de 1822)

Sugerir correcção
Comentar