Estranhas Coisas acontecem: o regresso inesperado de Kate Bush

A inclusão de Running Up That Hill, tema de 1985, na série Stranger Things, atirou Kate Bush para os tops em 2022. Tornou-a conhecida das gerações nascidas no novo milénio. Mas não é artista de uma canção. Viagem a obra inspirada pelo romantismo literário, pela música folclórica e clássica, de alguém que sempre se pareceu apenas consigo.

Foto
English singer-songwriter and musician Kate Bush posing on a lion skin rug at her family's home in East Wickham, London, 26th September 1978. (Photo by Chris Moorhouse/Evening Standard/Hulton Archive/Getty Images) Chris Moorhouse

Kate Bush é um dos nomes mais importantes da música popular das últimas décadas. Este ano, a inclusão do tema Running Up That Hill, de 1985, na série Stranger Things da Netflix não só a atirou para os lugares cimeiros dos tops, da venda física de discos e de downloads, como a tornou conhecida das gerações nascidas no novo milénio. Running Up That Hill foi usada em cenas em que a personagem Max corria perigo de vida e foi salva graças à canção, o que conferiu a esta um significado místico. Curiosamente, a canção, inicialmente, teria como título A Deal With God (“um acordo com Deus”), só que a editora pressionou a autora para que mudasse o nome com receio de que uma interpretação errada do título prejudicasse a sua divulgação em rádios e televisões de alguns países. A música de Kate Bush tem um lado místico, não no sentido religioso, mas devido à sua herança romântica que a fez sempre romper com uma visão racional e lógica do mundo, o que casa bem com Stranger Things.

Sugerir correcção
Ler 7 comentários