O vinho com que a Herdade do Sobroso homenageia o seu fundador

É um ícone da Herdade do Sobroso e juntamente com uma aguardente velha é um tributo ao fundador Ginestal Machado. O nome vem do grego e que quer dizer “principal”, “o construtor principal”.

Foto
Rui Soares / PUBLICO

Harmonia, biodiversidades e sustentabilidade serão os termos mais ajustados para se ter uma ideia do ambiente da Herdade do Sobroso, uma propriedade com enquadramento e condições verdadeiramente distintivas, onde a vinha ocupa apenas uma pequena parcela. Ao todo, são mais de 1600 hectares que, a partir do extremo nascente da serra do Mendo, se estendem por um belíssimo anfiteatro natural que se espraia de forma suave pela encosta até abraçar a margem direita do Guadiana numa extensão de quatro quilómetros.

Uma reserva natural que abriga as mais variadas espécies vegetais – só nos últimos anos foram plantados 660 mil sobreiros –, habitada por corsos, gamos e javalis, a par de outras espécies selvagens, e povoada por 65 espécies de aves locais. Além disso, é também poiso periódico de milhares de outras aves migratórias nas suas travessias sazonais entre a Europa e o Norte de África.

Como se vê, uma enormidade de natureza na qual se apoia o enoturismo e a vinha, que ocupa pouco mais de 60 hectares, espraiada por terraços de aluvião que foram outrora leito do rio. Nascido como um tributo ao fundador da propriedade, o arquitecto Ginestal Machado, o Arché é um dos vinhos de topo da propriedade (há também uma aguardente velha) e bem expressa esse contexto de prazer e encantamento que é a Herdade do Sobroso.

É, antes de tudo, um vinho de grande frescura e harmonia. A sensação de opulência fresca, perfume vegetal e riqueza frutada tomam conta da prova desde o primeiro momento.

Crítica

Nome Arché Branco 2020

Produtor Herdade do Sobroso

Castas Arinto e Antão Vaz

Região Alentejo

Grau alcoólico 13 por cento

Preço (euros) 55

Pontuação 93

Autor José Augusto Moreira

Notas de prova Cor dourada, envolvência de ervas frescas e tisanas no aroma, boca redonda, muito macia e cremosa, com sensações frutadas associadas a toranja, casca de laranja e mel, e prolongamento saboroso. A grande frescura (sem manifestação ácida), riqueza de boca e grande harmonia compõem um vinho que encanta e dá prazer, e que bem espelha o ambiente onde é feito e criado.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários