Dez vinhos até 8 euros que não comprometem um jantar

Um jantar de amigos, é bem-vinda uma garrafa de vinho, como gastar bem o mesmo orçamento? Seleccionámos seis tintos, três brancos e um rosé até 8 euros.

Foto
O preço pode ser um bom indicador da qualidade do que está dentro da garrafa, mas não é o único. DR

O preço é um indicador importante, mas nem sempre o preço alto tem uma correspondência directa com a qualidade do vinho. Em muitos casos, o preço é até uma opção estratégica do produtor, normalmente também associada às quantidades que são disponibilizadas no mercado.

Ou seja, um vinho que é produzido em grandes quantidades tende a ter um preço mais em conta, enquanto as pequenas produções fazem, em regra, subir os preços. É a velha lei da economia que dita que os preços tendem a ajustar-se em função da oferta e da procura.

Quer isto dizer que um vinho que é distribuído em grandes quantidades tende a ter um preço mais baixo, enquanto outros mais raros assumem preços superiores, independentemente da sua real qualidade.

Esta é, no entanto, uma regra que no caso dos vinhos tem também muitas outras variantes. Desde logo a região, a produtividade e o estilo de vinhos. Pelas dificuldades e custos de produção associados, um vinho do Douro ou dos Açores, tem logo à partida custos mais elevados, tal como aqueles que são estagiados e permanecem mais tempo em adega têm custos que acabam por se reflectir no preço final.

Mas também a memória, gosto, estilo ou estatuto ditam as preferências e a valorização do consumidor. Ou seja, nem sempre o preço depende da qualidade do vinho, que em última análise vale aquilo que o consumidor está disposto a pagar por ele. E há casos em que por preços bem moderados é possível levar para casa uma garrafa que não vai comprometer o jantar. Seleccionámos seis tintos, três brancos e um rosé até 8 euros que não comprometem um jantar.

Crítica

Nome Lua Cheia Rosé 2021

Produtor Lua Cheia – Saven, Ldª

Castas Várias em vinha velha

Região Douro

Grau alcoólico 12 por cento

Preço (euros) 4,79

Pontuação 88

Autor José Augusto Moreira

Notas de prova De cor rosada muito aberta e aroma frutado, surpreende na prova de boca pela grande harmonia, textura macia, delicadeza e profundidade de paladar. Esqueça-se a cor e é um vinho de grande equilíbrio, muita frescura e acidez assertiva que lhe prolonga o paladar. Sempre muito suave e saboroso, para refeições ligeiras. Castas tintas com algumas brancas misturadas na vinha e fermentadas em conjunto a conferir este perfil muito particular.

Crítica

Nome Conde Vimioso Sommeliers Edition Branco 2020

Produtor Falua, Sociedade de Vinhos, S.A.

Castas Arinto, Fernão Pires e Verdelho

Região Tejo

Grau alcoólico 12,5 por cento

Preço (euros) 7,90

Pontuação 89

Autor José Augusto Moreira

Notas de prova O lote tem a particularidade de ser confirmado por um grupo de sommeliers, e talvez daí o perfil marcadamente fresco e seco, a potenciar a aptidão gastronómica. As castas fermentam em separado de forma a potenciar a suas características, sendo que o lote acaba por destacar o lado fresco e seivoso do verdelho. Aroma floral e cítrico, algum fumado da madeira, sensações maduras, ervas maceradas e algum vegetal no palato, estrutura fina e elegante, com a frescura e secura final a conferir intensidade e destacar a vocação gastronómica.

Crítica

Nome Monólogo Avesso 2020

Produtor A&D Wines, Baião

Castas Avesso

Região Vinhos Verdes

Grau alcoólico 13 por cento

Preço (euros) 7,5

Pontuação 89

Autor José Augusto Moreira

Notas de prova Vinhas em modo de produção biológico, com selecção da parcela mais representativa da colheita. Aroma frutado, com notas exóticas e tropicais, em fundo cítrico e ambiente maduro. Na boca é amplo, intenso e crocante, com notas frutadas de compotas e goiaba envoltas por um belo equilíbrio ácido. Final tenso, como notas fumadas muito subtis e um leve rasto taninoso a conferir boa aptidão gastronómica.

Crítica

Nome Romeira Chardonnay 2018

Produtor Enoport, Rio Maior

Castas Chardonnay

Região IGP Lisboa

Grau alcoólico 12,5 por cento

Preço (euros) 7

Pontuação 89

Autor José Augusto Moreira

Notas de prova Limonado, seivoso e sobretudo com um belo balanço entre o paladar frutado, frescura cítrica e corpo redondo. Alguma untuosidade até, que se envolve com a fruta cítrica que cruza sensações vegetais que remetem mais para a vinha que para as características típicas da casta. O estágio prolongado em barricas usadas confere estrutura e intensidade de boca. Ideal para cozinhados com peixe no tacho ou no forno.

Crítica

Nome Poças Trava-Línguas Tinto 2019

Produtor Manoel Poças Júnior

Castas Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz

Região Douro

Grau alcoólico 12,6 por cento

Preço (euros) 6

Pontuação 89

Autor José Augusto Moreira

Notas de prova Não é, nem pretende ser, um grande vinho, mas é um belo vinho. Equilibrado, macio e frutado, daqueles que ajudam a gostar e a apreciar os vinhos. O aroma é vinoso, com sensações florais e de frutos vermelhos, a boca macia e a reforçar o ambiente de fruta fresca – framboesas e frutos silvestre – e final médio, com estrutura leve, tanino macio e algum prolongamento. Muito bem desenhado e afinado, não há quem não goste.

Crítica

Nome Andreza Reserva Tinto 2019

Produtor Lua Cheia em Vinhas Velhas, Alijó

Castas Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz

Região Douro

Grau alcoólico 13,5 por cento

Preço (euros) 7,15

Pontuação 90

Autor José Augusto Moreira

Notas de prova Vinho sério e estruturado. Intenso e complexo no aroma, com fruta madura e já casada com as notas de barrica. Na boca é elegante e estruturado, com muito boa frescura, complexidade e paladar frutado, com notas de bosque e de frutos vermelhos. Termina profundo, com boa persistência e mostra-se capaz de aguentar à mesa mesmo os mais intensos desafios.

Crítica

Nome Redondo Tinto 2019

Produtor Casa Relvas, Redondo

Castas Aragonês, Trincadeira, Castelão e outras

Região Alentejo

Grau alcoólico 14 por cento

Preço (euros) 8

Pontuação 89

Autor José Augusto Moreira

Notas de prova A cor aberta, o perfil equilibrado e o aroma fresco envolvem por completo uma estrutura complexa e a componente alcoólica, e essa é a grande virtude deste vinho da Casa Relvas. Outra faceta bem cativante é a sua textura fina e vocação gastronómica, sobretudo graças à boa acidez e notas herbáceas. Muito expressivo no nariz, com aromas de frutos vermelhos e notas balsâmicas, é também rico e complexo no paladar.

Crítica

Nome Frei João Reserva Tinto 2018

Produtor Caves S. João, Sangalhos

Castas Baga, Cabernet Sauvignon, Touriga Nacional

Região Bairrada

Grau alcoólico 12,5 por cento

Preço (euros) 8

Pontuação 88

Autor José Augusto Moreira

Notas de prova Um clássico que nunca passa de moda. Bem pelo contrário, já que com o passar do tempo reforça até as características de elegância e frescura que lhe conferem amplitude gastronómica. Por isso, é bem provável que encontre colheitas mais antigas a preços bem superiores. É daqueles vinhos que provavelmente não impressionam ao primeiro trago, mas que conquistam o palato à medida que vão sendo apreciados. Sobretudo à mesa.

Crítica

Nome Periquita Tinto 2020

Produtor José Maria da Fonseca, Azeitão

Castas Castelão, Trincadeira e Aragonês

Região Península de Setúbal

Grau alcoólico 13 por cento

Preço (euros) 4

Pontuação 85

Autor José Augusto Moreira

Notas de prova Adaptado aos tempos e às preferências do mercado, este é um verdadeiro ícone dos tintos portugueses, engarrafado desde 1850. Um vinho que mantém o sentido gastronómico, elegante na sua cor aberta, expressão fresca de acidez, boca fina e até algum prolongamento. Agora com manifestação de algum açúcar residual, para um gosto alargado de consumidores.

Crítica

Nome Adega de Penalva Reserva Tinto 2017

Produtor Adega Cooperativa de Penalva do Castelo

Castas Touriga Nacional, Tinta Roriz e Jaen

Região Dão

Grau alcoólico 13 por cento

Preço (euros) 8

Pontuação 91

Autor José Augusto Moreira

Notas de prova Um Dão típico, muito bem balanceado na conjugação de três das castas representativas da região (Touriga Nacional,Tinta Roriz e Jaen). O tempo só lhe reforça a harmonia e aptidão gastronómica, pelo que quanto mais antiga for a colheita melhor se vai portar à mesa. Aroma profundo e fresco, com notas de caruma e flores silvestres, paladar frutado e vivo, taninos firmes e belo equilíbrio. Pede comidas fortes.

Sugerir correcção
Ler 12 comentários