Base de dados de ADN conseguiu quase 17 mil perfis em 11 anos

Relatório do conselho de fiscalização da plataforma realça que em 2021 houve uma redução no número de perfis inseridos face ao ano anterior. Base de dados funciona para investigação criminal e identificação civil e é composta sobretudo por perfis de condenados.

Foto
Sandra Ribeiro

Quase 17 mil amostras foram inseridas na base de dados de perfis de ADN para fins de investigação criminal e identificação civil desde 2010, a maioria dos quais de pessoas condenadas pelos tribunais portugueses, conclui o conselho de fiscalização daquela plataforma. Em 2021 foram inseridos 1376 perfis de ADN na plataforma.

Sugerir correcção
Comentar