Um Porto que fervilha, mas entre trincheiras

Se há quem acredite que se vive um período de assinalável euforia artística e de abertura a outras narrativas e diálogos, há também quem tenha uma visão menos deslumbrada — e necessária.

Foto
Exposição Thai and Portuguese Revolution de Pisitakun Kuantalaeng, apresentada no espaço A Leste: um dos momentos mais estimulantes da agenda de 2021

Desde 2018, mais coisa menos coisa, que o ecossistema artístico do Porto tem vindo a ser habitado por um número galopante de colectivos, espaços geridos por artistas, projectos interdisciplinares, ateliês, estúdios, editoras de música, associações culturais e recreativas, salas de espectáculos fora do roteiro institucional, comunidades auto-geridas de artistas e activistas, entre outras estruturas que se movem sobretudo nos territórios da música, das artes visuais, da performance e da arte-educação.

Sugerir correcção
Comentar