Mulheres da arte abstracta, as artistas esquecidas dos anos 30

Labyrinth of Forms: Women and Abstraction, 1930–1950, no Whitney Museum em Nova Iorque, é um passo essencial para corrigir o registo histórico da arte moderna: as mulheres da arte abstracta americana, que ao rejeitarem o realismo, rejeitavam os ideais do que era “adequado” a uma mulher pintar.

new-york-times,arte-contemporanea,exposicao,artes,culturaipsilon,moma,
Fotogaleria
new-york-times,arte-contemporanea,exposicao,artes,culturaipsilon,moma,
Fotogaleria
new-york-times,arte-contemporanea,exposicao,artes,culturaipsilon,moma,
Fotogaleria

Ser mulher no contexto da arte abstracta nos anos 30 e 40 nos Estados Unidos era “um esforço radical”. Quem o diz é a curadora de Labyrinth of Forms: Women and Abstraction, 1930-1950, a exposição que o Whitney Museum em Nova Iorque apresenta até final de Março, num esforço de finalmente colocar as abstraccionistas esquecidas no spotlight.

Sugerir correcção
Comentar