Zelensky, o ex-comediante que agora nos faz chorar

Numa alteração de estratégia absolutamente radical, Berlim anunciou o envio de armas para Kiev. “A invasão marca um ponto de viragem”, disse Scholz, ao anunciar a reviravolta na política da Alemanha.

Não fazemos a mais pequena ideia de como isto tudo vai acabar. O antigo comediante Zelensky, que nestes dias nos comove pela capacidade de resistência a defender o seu país, recusou a oferta dos Estados Unidos para sair de Kiev – dizendo que não precisava de boleia, mas de armas. A Ucrânia, até ao momento em que escrevo este texto, está a demonstrar uma extraordinária resistência face às tropas de Putin, o que está a comover e a espantar parte do mundo e eventualmente a surpreender também o imperialista russo.

Os leitores são a força e a vida do jornal

O contributo do PÚBLICO para a vida democrática e cívica do país reside na força da relação que estabelece com os seus leitores.Para continuar a ler este artigo assine o PÚBLICO.Ligue - nos através do 808 200 095 ou envie-nos um email para assinaturas.online@publico.pt.
Sugerir correcção
Ler 67 comentários