Ao vivo: entre os avatares dos Abba e a fisicalidade dos Arctic Monkeys

O distanciamento social ajuda a salvar vidas, mas a fisicalidade e o encontro com o Outro também são cruciais. Que festivais terem os em 2022?

Foto
Archivio Mondadori via Getty Images

Como pode um festival de música adaptar-se a tempos como os que vivemos? O Semibreve (Braga) deu uma boa ideia em Outubro de 2020. Abdicando de concertos presenciais (e das salas de espectáculos que tende a ocupar) sem se render ao streaming na totalidade, pediu a artistas como Ana da Silva, Jim O’Rourke e Laurel Halo que, antes da realização do evento e a partir das suas casas (ou, nalguns casos, de residências artísticas), criassem peças sonoras para o Mosteiro de Tibães. Durante um fim-de-semana, as gravações (que também foram apresentadas digitalmente) fizeram-se ouvir nos vários espaços do edifício. Cada visitante podia traçar o seu percurso, tendo tempo e espaço para explorar o monumento e se relacionar com as composições.

Sugerir correcção
Comentar