Desmond Tutu, um exemplo até na morte: corpo de arcebispo sul-africano será “aquamado”

O religioso sul-africano, prémio Nobel da Paz pela sua luta contra o apartheid, escolheu ser um lutador pelo futuro do planeta até depois da morte, optando por uma alternativa ecológica à cremação.

cyril-ramaphosa,nobel-paz,mundo,religiao,africa-sul,africa,
Fotogaleria
O Presidente Cyril Ramaphosa durante o elogio fúnebre Reuters/POOL
cyril-ramaphosa,nobel-paz,mundo,religiao,africa-sul,africa,
Fotogaleria
Desmond Tutu pediu o caixão mais barato de todos Reuters/POOL
,IGREJA ANGLICANA DA ÁFRICA SUL
Fotogaleria
Reuters/POOL
cyril-ramaphosa,nobel-paz,mundo,religiao,africa-sul,africa,
Fotogaleria
Notombi Naomi Tutu, filha do arcebispo Reuters/POOL
Fotogaleria
Cyril Ramaphosa entrega a bandeira da África do Sul à viúva do arcebispo, Leah Tutu Reuters/POOL
Fotogaleria
O antigo Presidente sul-africano Kgalema Motlanthe recebe a hóstia Reuters/POOL
Catedral de São Jorge
Fotogaleria
Reuters/POOL

Os sul-africanos deram este sábado o seu último adeus, com honras de Estado, ao arcebispo emérito Desmond Tutu. Na missa de corpo presente, celebrada na catedral anglicana de São Jorge, na Cidade do Cabo, o Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, chamou ao líder religioso, falecido no passado domingo, aos 90 anos, “o pai espiritual” da democracia da África do Sul, ao lado do “pai” físico, Nelson Mandela.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários