A leveza do fim segundo a mala voadora

A companhia de Jorge Andrade e José Capela volta a apresentar uma produção astuta, mas que no final se dissipa no vazio e na falta de substância.

teatro-nacional-d-maria-ii,teatro-viriato,critica-teatro,critica,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Maria Jorge é uma das protagonistas desta peça estreada em Outubro de 2020 e que agora chegou a Lisboa JOSÉ CALDEIRA/TEATRO NACIONAL D. MARIA II
teatro-nacional-d-maria-ii,teatro-viriato,critica-teatro,critica,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Jorge Andrade, co-director da mala voadora, assume também a encenação da peça JOSÉ CALDEIRA/TEATRO NACIONAL D. MARIA II
teatro-nacional-d-maria-ii,teatro-viriato,critica-teatro,critica,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Tânia Alves JOSÉ CALDEIRA/TEATRO NACIONAL D. MARIA II

A protagonista de Off está metida num berbicacho. É como se vivesse em dois mundos paralelos, porém coincidentes, saídos de uma novela de ficção científica. Vejamos: lá fora, a editora de livros vê o mundo a cair aos bocados, desfazendo-se num caos cada vez mais rápido, que, talvez com uma dose de egoísmo, associa à sua degradação física por conta da doença degenerativa que a consome. O que sente, contudo, é também o que lê no manuscrito do romance que um escritor lhe propõe para publicação. É ela a protagonista, pelo que não há muita margem para dúvidas. Ainda não sabe é quão acelerada e labiríntica será a sua viagem.

Sugerir correcção
Comentar