Vacinas anticovid. Agência Europeia do Medicamento tem estudos a indicar prazos mais curtos para a dose de reforço

Instituição confirmou ao PÚBLICO ter estudos preliminares que apontam para que quando se administra uma vacina de outro tipo a quem foi imunizado com vacinas do tipo vector viral os anticorpos aumentam mais rapidamente. EMA vai fazer recomendação pública em breve.

Foto
Mais de 800 mil portugueses com mais de 65 anos só tomaram a vacina a partir de Julho deste ano EPA/Mourad Balti Touati

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) dispõe de estudos sobre a administração da dose de reforço com uma vacina diferente da usada nas doses iniciais, nomeadamente quando a vacina usada anteriormente foi do tipo de vector viral (a AstraZeneca e a vacina da Janssen), que indicam que pode ser encurtado o intervalo agora exigido de seis meses entre a segunda dose e a dose de reforço. Talvez assim possam ser vacinados mais rapidamente os 800 mil portugueses com mais de 65 anos que, de acordo com as regras actuais, só podem receber a dose de reforço a partir de 2022, pois receberam a segunda dose a partir de Julho.

Sugerir correcção
Ler 13 comentários