Fornecimentos de gás natural da Nigéria e Argélia preocupam Galp

Em meio da crise energética, a empresa está a tentar perceber se haverá “potenciais desvios” aos volumes contratados com os fornecedores de longo prazo e a preparar plano de contingência.

Foto
A maior parte do gás natural chega a Portugal por navio, ao porto de Sines Miguel Manso

A Galp, que abastece a maioria dos clientes de gás natural em Portugal, incluindo a sua própria refinaria, em Sines, está apreensiva com o fluxo de abastecimento desta fonte de energia nos próximos tempos, dado a elevada procura que tem agitado os mercados mundiais nos últimos meses e cujas consequências económicas e geopolíticas estão ainda por perceber-se.

Sugerir correcção
Ler 3 comentários