Carlos Moedas eleito presidente da Câmara de Lisboa. “Ganhámos contra tudo e contra todos!”

Surpresa em Lisboa. Carlos Moedas vence as eleições ao contrário do que foram indicando as várias sondagens.

autarquicas-2021,carlos-moedas,camara-lisboa,politica,lisboa,psd,
Fotogaleria
Carlos Moedas: "Serei o presidente que vai unir os lisboetas". Rui Gaudêncio
autarquicas-2021,carlos-moedas,camara-lisboa,politica,lisboa,psd,
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
autarquicas-2021,carlos-moedas,camara-lisboa,politica,lisboa,psd,
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
autarquicas-2021,carlos-moedas,camara-lisboa,politica,lisboa,psd,
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
autarquicas-2021,carlos-moedas,camara-lisboa,politica,lisboa,psd,
Fotogaleria
Rui Guadêncio
autarquicas-2021,carlos-moedas,camara-lisboa,politica,lisboa,psd,
Fotogaleria
Rui Guadêncio

O social-democrata Carlos Moedas, cabeça de lista da coligação Novos Tempos, conquistou a Câmara Municipal de Lisboa, contra todas as sondagens conhecidas até este domingo. Moedas consegue por fim ao domínio socialista da autarquia da capital que vinha desde os tempos de António Costa.

Eis que chega o vencedor da noite. Às 2h34, Carlos Moedas entra finalmente no seu quartel-general pelo meio da multidão que o esperava. “Presidente! Presidente! Presidente!”, gritam os apoiantes. “Estamos prontos ou não estamos prontos?”, riposta Moedas. “Ganhámos contra tudo e contra todos!”

Carlos Moedas começa o seu discurso congratulando o derrotado da noite, Fernando Medina, a quem desejou “o melhor para a sua vida pessoal e profissional”. 

“Fizemos história. Fez-se história hoje em Lisboa”, continuou o social-democrata. “Não tenho palavras para agradecer o voto de confiança que me foi dado hoje. Não vamos falhar. Comprometo-me com todos os lisboetas. Vamos mudar Lisboa!”, foi dizendo ainda entre fortes aplausos dos candidatos.

“Esta candidatura é a prova de que podemos mudar o sistema. Porque a democracia não tem dono”, disse ainda Moedas, depois de agradecer à equipa que construiu esta candidatura ao longo dos últimos meses.

PÚBLICO -
Aumentar

“Os lisboetas disseram em alto e bom som que querem mudança”, notou. “Hoje começou um novo ciclo, Novos Tempos. E eu estou convencido de que começa em Lisboa, mas não vai acabar em Lisboa”, notou ainda o recém-eleito presidente da Câmara de Lisboa.

“Quero dizer que serei o presidente de todos os lisboetas. Serei o presidente que vai unir os lisboetas. Estarei sempre disponível para trabalhar com todos aqueles que acreditam em Lisboa. Queria dizer aos lisboetas que os vou ouvir”, disse ainda Moedas, que conseguiu terminar com 14 anos de governação socialista na Câmara de Lisboa. 

Na mensagem para os mais velhos, os mais jovens, os comerciantes e empresários, disse que os ia proteger. 
“A política está a mudar, a política quer políticos diferentes, a política quer pessoas diferentes. Os lisboetas disseram ‘sim’ a esta nova maneira de fazer política”, enfatizou, arrancando aplausos na sala. 

Sublinhando que os “lisboetas disseram sim ao futuro”, começa agora o trabalho. “Mudaram a minha vida, mas mudaremos a vida dos lisboetas. Vamos mudar Lisboa!”, prometeu, assumindo esta como um dia histórico.

Carlos Moedas chamou ainda ao palco os presidentes de junta eleitos: Santo António, Belém, Estrela, Areeiro, Arroios, Lumiar, Alvalade e Avenidas Novas e Parque das Nações e São Domingos de Benfica.

Carlos Moedas entrou na política em 2011 pela mão de Pedro Passos Coelho. Foi comissário europeu e estava na administração da Gulbenkian quando Rio o desafiou a candidatar-se a presidente da Câmara de Lisboa.

Neste domingo assegurou uma vitória histórica garantindo à direita uma vitória na principal cidade do país. 

No entanto a tarefa não será fácil: a maioria da vereação na autarquia de Lisboa está com os partidos da esquerda, cabendo agora a Carlos Moedas a tarefa de encontrar uma solução de estabilidade que lhe permita governar a cidade nos próximos quatro anos.

Recorde-se que no passado dia 22 de Setembro, a sondagem do Centro de Sondagens da Universidade Católica Portuguesa (CESOP) para o PÚBLICO e a RTP garantia 37% das intenções de voto a Fernando Media e apenas 28% a Carlos Moedas.

Acompanhe aqui os resultados das eleições.