Em Oeiras, Isaltino reforçou poder e CDU perdeu vereador

Isaltino Morais dedicou a vitória à juventude e sublinhou o reforço da maioria absoluta, após conquistar todas as freguesias do concelho.

Foto
O movimento de Isaltino Morais voltou a ganhar a Câmara de Oeiras Rui Gaudêncio

O movimento de Isaltino Morais voltou a ganhar a Câmara de Oeiras com maioria absoluta e reforçou a votação em relação a 2017, passando de seis para oito vereadores num total de onze. Isaltino capitalizou com o facto de o movimento Independentes, Oeiras Mais à Frente, liderado em 2017 pelo ex-presidente Paulo Vistas (que fora número dois de Isaltino), que em 2017 conquistara dois vereadores - os mesmos que agora Isaltino ganhou.

Mas em Oeiras houve mais mudanças. A CDU, que era a quarta força política (7,84%) tinha um vereador mas perdeu-o e caiu para quinto lugar: foi-lhe “roubado” pela coligação que integra o BE, o Livre e o Volt, que subiu de 3,11% para 7,27%.

Apesar de ter feito uma campanha muito mediatizada, o deputado do PSD Alexandre Poço só se conseguiu eleger a si como vereador e ficou em terceiro lugar. Poço obteve 7,91% que, em termos práticos, é o resultado da coligação do PSD com o CDS de 2017 descontada a votação que o CDS teve agora (1,73%), uma vez que desta vez os centristas concorreram sozinhos.

Isaltino Morais dedicou a vitória à juventude e sublinhou o reforço da maioria absoluta, após conquistar todas as freguesias do concelho. “Não importa a percentagem. O que importa é que crescemos muito, aumentámos a nossa votação e conseguimos o melhor resultado de sempre em Oeiras”, afirmou, num discurso no núcleo central Taguspark, antes de conhecidos os resultados oficiais.

Para Isaltino Morais, esta foi “uma grande vitória” que também significa “uma maior responsabilidade”. “São tantos os oeirenses que confiam em nós que não podemos deixar de sentir o peso da responsabilidade. Depois de tantos anos a liderar este município, os eleitores demonstraram que não querem perder este modo de vida, querem que continuemos a inovar”, acrescentou o recandidato independente à Câmara Municipal de Oeiras.

E prosseguiu: “Queremos que este concelho seja o melhor do país e um dos melhores da Europa. Os próximos quatro anos vão ser de ainda mais trabalho, mas não se preocupem que, quem corre por gosto, não cansa.” Com Lusa