“O conflito é uma ferramenta construtiva”: finalmente, a festa para a representação portuguesa na Bienal de Veneza

Pavilhão de Portugal despede-se do Palácio Lolin com a inauguração oficial da exposição In Conflict. É a recta final de uma longa conversa promovida pelo atelier depA sobre casos de arquitectura de tensão e um apelo à permeabilidade da disciplina.

cultura,veneza,bairro-aleixo,bienal-veneza,culturaipsilon,arquitectura,
Fotogaleria
Inauguração oficial do Pavilhão de Portugal na 17.ª Bienal de Arquitectura de Veneza reuniu na cidade italiana a ministra da Cultura, Graça Fonseca, o director-geral das Artes, Américo Rodrigues, e dezenas de arquitectos, artistas e colaboradores deste projecto cortesia josé campos/ atelier depA
,Arquitetura
Fotogaleria
Pormenor da exposição "In Conflict", que representa Portugal na Bienal de Arquitectura de Veneza cortesia josé campos/ atelier depA
cultura,veneza,bairro-aleixo,bienal-veneza,culturaipsilon,arquitectura,
Fotogaleria
Veneza pode ver desde Maio a exposição "In Conflict" cortesia josé campos/ atelier depA
cultura,veneza,bairro-aleixo,bienal-veneza,culturaipsilon,arquitectura,
Fotogaleria
Pormenor da exposição "In Conflict", que representa Portugal na Bienal de Arquitectura de Veneza cortesia josé campos/ atelier depA
cultura,veneza,bairro-aleixo,bienal-veneza,culturaipsilon,arquitectura,
Fotogaleria
Torres do Bairro do Aleixo, no Porto (arquitecto Manuel Teles, 1968-76), uma das situações na "arquitectura de tensão" levados pelo atelier depA a Veneza nelson d'aires
cultura,veneza,bairro-aleixo,bienal-veneza,culturaipsilon,arquitectura,
Fotogaleria
Em Veneza acontecem sete debates sobre arquitectura, conflito e temas que vão do legado colonial à política habitacional em Lisboa cortesia josé campos/ atelier depA

Veneza pode ver desde Maio a exposição In Conflict, que representa Portugal na centralíssima Bienal de Arquitectura de Veneza e que o jovem atelier depA fez em torno de sete casos de arquitectura portuguesa marcados pela tensão e controvérsia, das Torres do Aleixo a Pedrógão Grande. Mas só esta quinta-feira se cortou uma fita imaginária e entrou nesse grande palácio cheio de correntes de ar que é a arquitectura habitacional portuguesa, na inauguração oficial do Pavilhão de Portugal com o qual os depA são claros: “Não estamos a vender a arquitectura portuguesa como sendo muito boa, estamos a dizer que queremos mudar as coisas. É mais generoso, é mais aberto”, resume o arquitecto Luís Sobral.