Benfica continua perfeito no campeonato

“Encarnados” triunfam sobre o Boavista na Luz e continuam tranquilos na liderança. Darwin Nuñez marcou dois golos.

Foto
Darwin marcou dois dos três golos do Benfica LUSA/MIGUEL A. LOPES

Não terá sido das vitórias mais fáceis, mas também não foi das mais problemáticas. O Benfica foi seguro e eficaz o suficiente para manter o pleno no campeonato, uma vitória por 3-1 sobre o Boavista no Estádio da Luz. Foi a sexta vitória em outras tantas jornadas para os “encarnados”, que continuam inamovíveis na liderança da liga, com 18 pontos, mais quatro que FC Porto e Sporting (que já empataram dois jogos). Jorge Jesus continua a fazer uma boa gestão dos seus bons recursos para manter a perfeição pontual, e, de caminho, vai ajudando Darwin Nuñez a reencontrar-se com os golos.

Já há muito tempo que o Benfica não ganhava os seis primeiros jogos do campeonato – nem Jorge Jesus durante a sua primeira passagem pela Luz o tinha conseguido. Foi em 1982-83, era Eriksson o treinador e os “encarnados” ganharam os seus primeiros 11 jogos, acabando a temporada como campeões. É um bom presságio para este Benfica, e os indicadores são os melhores possíveis (única equipa com o pleno dos pontos, mais o melhor ataque e a melhor defesa), mas ainda é demasiado cedo para fazer projecções deste género.

Partindo de uma boa simbiose dos homens do meio-campo (Weigl e João Mário), sempre empenhados na circulação rápida e em progressão, o Benfica entrou a carregar, criando muitos problemas ao sector mais recuado dos visitantes. Depois de um primeiro ameaço aos 8’, com um remate ao lado de Darwin após cruzamento de Yaremchuck, o jovem uruguaio atirou a contar aos 14’. Cruzamento de Diogo Gonçalves e bola pelo ar até chegar à cabeça de Darwin, que, bem colocado entre os centrais axadrezados, fez o 1-0.

O Boavista não tinha ido à Luz para defender, mas agora tinha outra urgência em chegar à área de Vlachodimos. Lentamente começou a libertar-se das amarras “encarnadas” e foi para a frente, também com os seus velocistas no ataque. Deu um primeiro sinal aos 30, um remate de Gustavo Sauer de fora da área que Vlachodimos defendeu com segurança, numa amostra do que estava para vir.

Foi aos 34’ que o avançado brasileiro brilhou enormemente na Luz. Weigl perdeu uma bola em zona proibida e Sauer, de primeira, disparou com a dose certa de potência e direcção – Vlachodimos nada podia fazer a não ser lançar-se para ninguém dizer que tinha ficado apenas a apreciar o magnífico remate de Sauer.

Mas os boavisteiros nem tiveram tempo para saborear o empate. Aos 34’, Weigl redimiu-se do erro cometido na sua área, recolocando o Benfica na frente com um cabeceamento indefensável após uma bola colocada na área por João Mário e que Otamendi encaminhou para o médio alemão.

A segunda parte mostrou um Boavista mais ofensivo e rematador - teve dois remates de perigo médio logo no reatamento do jogo. Mas o Benfica foi rápido e mortal a responder ao melhor período da equipa de João Pedro Sousa. Aos 61’, Lucas Veríssimo encontrou Rafa em corrida e o internacional português colocou na área para Darwin fazer o 3-1, o seu quarto no campeonato – o uruguaio bisou pelo segundo jogo consecutivo, e deixou sinais de que esta pode ser a sua época de afirmação definitiva, depois de ter tido um ano de estreia intermitente, ele que ainda é o jogador mais caro da história dos “encarnados”.

Depois, foi uma meia-hora de tranquilidade para o Benfica, que ainda testou algumas vezes os reflexos e a elasticidade de Bracali, o guarda-redes boavisteiro que é o jogador mais velho da liga. O Boavista não conseguiu evitar a sua segunda derrota no campeonato e o Benfica segue imparável, sem que ninguém em Portugal lhe consiga fazer frente.