Grada Kilomba: “Normalizámos a violência até aos nossos dias e ela repete-se”

Na instalação e performance O Barco, que inaugura esta sexta-feira no MAAT, em Lisboa, e em simultâneo abre a BoCA Bienal, Grada Kilomba interroga a história colonial na cidade que a glorifica. Porque é que apagamos algumas narrativas e reconhecemos outras?, questiona.

Foto
João Hasselberg

No imaginário ocidental, um barco, é facilmente associado a ideias de glória, liberdade ou expansão marítima. Para Grada Kilomba, O Barco, a escultura, que é também instalação artística e performance, com inauguração esta sexta-feira no Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa, é uma forma de tornar visível e prestar homenagem a milhões de africanos escravizados e transportados no fundo de barcos. 

Sugerir correcção
Ler 17 comentários