Acabaram os Jogos mais estranhos de sempre

Pedro Pablo Pichardo foi o porta-bandeira de Portugal na cerimónia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Tóquio, que começaram e acabaram com um ano de atraso.

toquio-2020,desporto,jogos-olimpicos,
Fotogaleria
Reuters/ANTONIO BRONIC
toquio-2020,desporto,jogos-olimpicos,
Fotogaleria
Pedro Pichardo LUSA/JOSÉ COELHO
toquio-2020,desporto,jogos-olimpicos,
Fotogaleria
LUSA/JOSÉ COELHO
toquio-2020,desporto,jogos-olimpicos,
Fotogaleria
Reuters/AMR ABDALLAH DALSH
Fotogaleria
Reuters/DAN MULLAN
Fotogaleria
EPA/ZSOLT CZEGLEDI
Torre Eiffel
Fotogaleria
Reuters/BENOIT TESSIER

Terminaram os Jogos da XXXII Olimpíada, provavelmente os Jogos Olímpicos mais estranhos de sempre. Seguramente diferentes de todos os outros que vieram antes e, espera-se, diferentes dos que virão a seguir (e já há datas e locais para os próximos três). Coube ao Japão a difícil tarefa de organizar os Jogos no meio de uma pandemia e com muitas outras coisas a correrem mal, e não se pode dizer que tenha sido um fracasso, mas Tóquio entrega de bom grado essa missão a Paris, esperando o mundo que esses Jogos de 2024 voltem a ser como os outros: grandes, espectaculares e sem covid-19.