Luís Filipe Vieira libertado da prisão domiciliária

A notificação do tribunal com a ordem de libertação era aguardada desde quinta-feira, depois de se saber que o juiz Carlos Alexandre já tinha aceitado as novas garantias que Vieira propôs para pagar a caução de três milhões de euros.

Foto
Rui Gaudêncio

O antigo presidente do Benfica já foi libertado da prisão domiciliária, tendo sido notificado dessa decisão na tarde desta sexta-feira pelo Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), segundo noticiou a TVI24 e confirmou o PÚBLICO.

A notificação do TCIC era aguardada desde quinta-feira, depois de se saber que o juiz Carlos Alexandre já tinha aceitado as novas garantias que Vieira propôs para pagar a caução de três milhões de euros, aplicada no âmbito da Operação Cartão Vermelho.

Luís Filipe Vieira entregou, assim, como garantias dois imóveis que são propriedade de sociedades detidas pelos dois filhos, no valor de 2,8 milhões, e o restante, 200 mil euros, em dinheiro.

O antigo presidente do Benfica inicialmente deu como garantia as acções no clube e mais 400 mil euros, que correspondem a parte de um imóvel avaliado em 1,2 milhões de euros e que ia servir também para pagar a caução de 600 mil euros do filho, Tiago, que também é arguido, mas o juiz Carlos Alexandre não aceitou.

Neste momento, Vieira pode sair de casa e viajar pelo país, mas está proibido de se ausentar para o estrangeiro, e também não pode contactar com administradores da SAD e restantes arguidos.

Neste processo são também arguidos Tiago Vieira, filho de Luís Filipe Vieira, o agente Bruno Macedo e o empresário José António dos Santos, conhecido como “o rei dos frangos”.

Luís Filipe Vieira é suspeito de ter montado um esquema financeiro para retirar dinheiro do clube, usando verbas do Benfica para “benefício pessoal”.