Patrícia Mamona subiu finalmente ao pódio para receber a medalha

Triplista portuguesa foi coroada com a prata no Estádio Olímpico, depois de ter batido o recorde nacional.

toquio-2020,desporto,jogos-olimpicos,atletismo,
Fotogaleria
Reuters/DYLAN MARTINEZ
toquio-2020,desporto,jogos-olimpicos,atletismo,
Fotogaleria
Reuters/DYLAN MARTINEZ
toquio-2020,desporto,jogos-olimpicos,atletismo,
Fotogaleria
Reuters/DYLAN MARTINEZ
toquio-2020,desporto,jogos-olimpicos,atletismo,
Fotogaleria
Reuters/DYLAN MARTINEZ
toquio-2020,desporto,jogos-olimpicos,atletismo,
Fotogaleria

Longas horas depois de se ter sagrado vice-campeã olímpica do triplo salto, em Tóquio, Patrícia Mamona participou na cerimónia de entrega de medalhas e subiu ao pódio no Estádio Olímpico, onde foi hasteada a bandeira de Portugal, ao lado das da Venezuela e de Espanha.

Patrícia Mamona cumpriu o protocolo, sempre de máscara (a excepção são os segundos finais para as fotografias) e acenando às bancadas despidas do recinto. E juntou-se depois a Yulimar Rojas e a Ana Peleteiro no primeiro lugar do pódio para as fotos da praxe.

Aos 32 anos, a triplista portuguesa atingiu o ponto mais alto da carreira, com uma medalha de prata olímpica, à qual juntou o recorde nacional, depois de ter superado a barreira dos 15 metros (15,01m). Só ela e a vencedora do concurso, de resto, conseguiram saltar acima dessa fasquia, numa prova que também teve direito a recorde mundial.

Mamona conquistou a 26.ª medalha de Portugal em Jogos Olímpicos, a segunda em Tóquio 2020, depois de o judoca Jorge Fonseca ter arrecadado o bronze na categoria de -100 kg.