Penguin Random House funde-se com a 20/20 e nasce em Portugal um nova empresa editorial

Manuel de Freitas, fundador do grupo 20/20 Editora, será o director-geral da nova empresa em Portugal, Clara Capitão assumirá o cargo de directora editorial do grupo e Ana Afonso será directora editorial adjunta. Contam editar 650 novos títulos por ano.

Foto
A obra da Prémio Nobel Olga Tokarczuk faz parte do catálogo da nova Penguin Random House Grupo Editorial Portugal EPA/ARMANDO BABANI

A Penguin Random House Grupo Editorial (PRHGE), que chegou a Portugal em 2014 na sequência da aquisição que fez a nível ibérico da editora Santillana, e o Grupo 20/20 Editora, que foi fundado em 2009 por Manuel de Freitas e estava entre os cinco maiores grupos nacionais, anunciaram na tarde desta quinta-feira, em comunicado, a fusão numa única empresa em Portugal que irá operar sob o nome: Penguin Random House Grupo Editorial Portugal.

Núria Cabutí, directora-geral da Penguin Random House Grupo Editorial em Espanha e América Latina, esteve esta manhã em Lisboa, refere o comunicado, e a PRHGE deterá 85% da empresa e o fundador da 20/20 Editora, Manuel de Freitas, os outros 15%. A agência de eventos, formação e consultoria The Book Company e a agência de autores Bookoffice, que foram adquiridas em 2019 pela 20/20 Editora, também farão parte do grupo.

Manuel de Freitas será o director-geral da nova empresa em Portugal e reportará a Patxi Beascoa, responsável por Portugal e director comercial da PRHGE. Clara Capitão assumirá o cargo de directora editorial do grupo, e Ana Afonso será directora editorial adjunta, reportando a Clara Capitão.

“É um privilégio alargar o âmbito e a força dos nossos programas editoriais em Portugal, unindo os catálogos da Penguin Random House Grupo Editorial e da 20/20 Editora. Juntos, vamos levar o excelente trabalho dos nossos autores ao maior número possível de leitores a nível nacional e internacional, enquanto nos esforçamos por criar a próxima geração de leitores e fortalecer o futuro dos livros na nossa sociedade. Mal podemos esperar para ver o catálogo editorial que esta parceria irá produzir”, diz no comunicado Markus Dohle, o CEO da Penguin Random House mundial.

650 novos títulos

A reunião das chancelas dos dois grupos — que incluem entre muitas outras a Alfaguara, a Cavalo de Ferro, a Companhia das Letras, a Elsinore, a Objectiva, a Penguin Clássicos, a Nascente, a Suma de Letras, Topseller e a Vogais —, permitirão ao Penguin Random House Grupo Editorial Portugal ficar com um catálogo de 4000 títulos.

“Ao ritmo de 650 novos títulos por ano, o grupo manterá a identidade e a vocação editorial de cada uma das suas chancelas e continuará a publicar originais e traduções em português de obras de ficção e não-ficção para crianças, jovens leitores e adultos nos mais variados formatos em papel, assim como em suporte digital, tanto em ebook como em audiolivro”, continua a ler-se no referido comunicado.

A Penguin Random House Grupo Editorial Portugal passará a ter no seu catálogo obras dos vencedores do Prémio Camões, Raduan Nassar e Chico Buarque, e obras de vencedores de prémios Nobel como Nelson Mandela, Olga Tokarczuk, Svetlana Alexievich, Nadia Murad, Elias Canetti, Knut Hamsun, Czeslaw Milosz, Halldor Laxness e Barack Obama.