Em Guimarães, abre-se um novo ciclo para a arte contemporânea

Marta Mestre, a nova curadora-geral do CIAJG, inaugurou a sua programação com oito novas exposições.

artes-plasticas,cultura,centro-internacional-artes-jose-guimaraes,artes,culturaipsilon,guimaraes,
Fotogaleria
"Mitos… non… avesso" traz para o CIAJG um D. Sebastião de José de Guimarães. E Marta Mestre convidou Horácio Frutuoso, cuja obra convoca a escrita e a palavra para o plano da pintura, para dialogar com estas duas peças maiores, o filme e a escultura alexandre delmar/ cortesia CIAJG
artes-plasticas,cultura,centro-internacional-artes-jose-guimaraes,artes,culturaipsilon,guimaraes,
Fotogaleria
Peças agrupadas sob o título de "Signos Sinais" estiveram em exposição no museu Würth de Bruxelas alexandre delmar/ cortesia CIAJG
artes-plasticas,cultura,centro-internacional-artes-jose-guimaraes,artes,culturaipsilon,guimaraes,
Fotogaleria
Peças do mexicano Rodrigo Hernández em "Pasado" alexandre delmar/ cortesia CIAJG

A norte do Porto, é o único museu português de arte contemporânea que tem vocação internacional. Aberto há quase dez anos, no ano em que Guimarães foi capital da cultura em 2012, o Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG) acolhe a obra plástica do seu fundador bem como as colecções de arte africana, sul-americana e oriental que José de Guimarães foi reunindo nas últimas décadas. Em plena pandemia, Marta Mestre, curadora com uma carreira construída entre Portugal e o Brasil, substituiu Nuno Faria, que assegurou a programação e a direcção até 2019. Chegou agora a altura de mostrar o seu primeiro conjunto de exposições, integradas num programa mais genérico intitulado “Nas margens da ficção”, que ficarão abertas até 5 de Setembro.