Night de um dia difícil

Um problema que se arrasta de filme para filme e chateia bastante, desde o início: a incapacidade de Shyamalan para pressupor que o espectador é uma criatura dotada de inteligência.

ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Um dos filmes mais grotescamente estúpidos de todos os tempos
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria

“Passa-se alguma coisa com o tempo!”, grita uma personagem numa altura em que há uma boa meia-hora já toda a gente, incluindo o mais obtuso dos espectadores, percebeu que se “passa alguma coisa com o tempo”. Não é o único problema de Shyamalan, nem será porventura o mais grave, mas é um problema que se arrasta de filme para filme e chateia bastante, desde o início: a sua profunda incapacidade para pressupor que o espectador é uma criatura dotada de inteligência. E, como acontece geralmente com filmes que o tratam como idiota, o espectador sente-se idiota em Presos no Tempo, sem perceber se isto é uma caricatura ou é para levar a sério, se há um “segundo grau” ou se é mesmo um filme mentecapto. Depois, desistindo de procurar sinais que anunciem ou denunciem a caricatura e o “segundo grau”, conforma-se com a ideia de que isto é para levar a sério e é mesmo um filme mentecapto. Infelizmente, quando isso acontece ainda sobra meio filme — e não, não fica melhor.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários