Arquitectura

De um rés-do-chão abandonado se fez um rés-do-chão habitado: e assim se muda o Porto

O colectivo de arquitectura Oitoo recuperou mais um dos 173 rés-do-chão vazios da freguesia de Paranhos, no Porto. Habitar o rés-do-chão não significa abdicar do conforto, luz ou privacidade – e esta casa quer prová-lo.

Adriano Mura
Fotogaleria
Adriano Mura

“Mas o Porto não tem tanta necessidade de casas, e a baixo custo?” é a questão provocatória do colectivo de arquitectura Oitoo, empenhado em mudar a opinião pública sobre os rés-do-chão da cidade.

Laura Lupini, João Machado, Diogo Zenha Morais e Nuno Baptista Rodrigues estudam, desde 2017, a freguesia de Paranhos, no Porto, onde contaram quantos eram os espaços sem uso. Agora, querem provar que não é descabido habitá-los.

Encontraram 173 rés-do-chão vazios, mais de 20 mil metros quadrados sem uso, que poderiam ser a casa de cerca de 1200 habitantes. A Casa no Rés-do-Chão, na Rua de Álvaro de Castelões, é o seu segundo projecto de reabilitação na freguesia, concluído em 2021. Uma requalificação que exigiu um design de interiores particularmente cuidadoso, com atenção à mediação entre o espaço público e o espaço privado, às necessidades de luz natural e artificial e à renovação das traseiras antes abandonadas que se transformam em “jardins secretos”.

“Não podemos continuar a conviver com o abandono. Estes moradores habituaram-se a ver portões enferrujados, um espaço com problemas de higiene, porque ninguém se queixava”, defendeu o arquitecto João Machado, em entrevista ao P3, em Junho. “Espaços vazios no rés-do-chão significam ruas sem vida ou actividade: só a sua apropriação pode evitar usos abusivos do espaço público.”

Os quatro arquitectos conheceram-se na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto e fundaram, duas décadas mais tarde, o Oitoo, unidos por um gosto por recuperar o que já existe, mas que outros vêem apenas como lixo. Nas palavras de Diogo Zenha Morais: “Fechados é que os espaços se estragam, degradam-se. Uma porta fechada não cria relação nenhuma.”

Adriano Mura
Adriano Mura
Adriano Mura
Adriano Mura
Adriano Mura
Adriano Mura
Adriano Mura
Adriano Mura
Adriano Mura
Adriano Mura
Adriano Mura
Adriano Mura
Adriano Mura
Adriano Mura
Adriano Mura
Adriano Mura
Adriano Mura
Adriano Mura