Confrontos nas ruas e denúncias de “golpe” acentuam crise política na Tunísia

Apoiantes e críticos do Presidente envolvidos em cenas de violência depois de Saied ter afastado o primeiro-ministro e outros membros do Governo e suspendido o Parlamento. Chefe de Estado impõe recolher obrigatório e proibição de ajuntamentos.

protesto,mundo,primavera-arabe-,tunisia,africa,
Fotogaleria
Confrontos provocaram feridos e detidos EPA
protesto,mundo,primavera-arabe-,tunisia,africa,
Fotogaleria
Exército reforçou a segurança em redor do Parlamento, em Tunis,Exército reforçou a segurança em redor do Parlamento, em Tunis EPA,EPA
protesto,mundo,primavera-arabe-,tunisia,africa,
Fotogaleria
Confrontos em frente ao Parlamento, em Tunis ZOUBEIR SOUISSI/Reuters
protesto,mundo,primavera-arabe-,tunisia,africa,
Fotogaleria
Apoiantes e críticos do Presidente confrontaram-se na capital ZOUBEIR SOUISSI/Reuters

A Tunísia atravessa, por esta altura, um dos momentos políticos e sociais mais atribulados desde os protestos de 2011, que acabaram por colocar o país no caminho da democracia. Ao anúncio do afastamento do primeiro-ministro, Hichem Mechichi, e da suspensão do Parlamento por 30 dias, feito, no domingo, pelo Presidente Kais Saied, seguiram-se denúncias de “golpe de Estado” vindas do Ennahdha, o partido com maior representação parlamentar e, já esta segunda-feira, mais demissões e confrontos entre manifestantes e críticos do chefe de Estado.