Red Rocket e os reis da evasão

De carro pela competição da 74.ª edição de Cannes. Também de barco. E finalmente chegamos a Red Rocket, de Sean Baker, aliança entre o realismo e a evasão do cinema americano.

cultura,ryusuke-hamaguchi,philip-roth,cinema,culturaipsilon,festival-cannes,
Fotogaleria
"Red Rocket", de Sean Baker
cultura,ryusuke-hamaguchi,philip-roth,cinema,culturaipsilon,festival-cannes,
Fotogaleria
"Les Olympiades", de Jacques Audiard, é inspirado na obra gráfica do autor americano Adrian Tomine (ilustrador, por exemplo, da revista "New Yorker")
cultura,ryusuke-hamaguchi,philip-roth,cinema,culturaipsilon,festival-cannes,
Fotogaleria
Léa Seydoux protagoniza quatro filmes em Cannes: este é "Tromperie", de Arnaud Desplechin

Há “uma coisa” com carros. No Crash, de David Cronenberg, é mesmo essa a matéria explícita do filme: misteriosamente sem mistério, os carros. Depois, por exemplo, os filmes de Claude Sautet, em que o automóvel fortifica a coesão do grupo e as personagens precisam, a dado momento, de entrar num automóvel para serem tocadas por esse “tratamento”. Drive my Car, de Ryusuke Hamaguchi, parece ter a ver com esta linhagem. Aliás as personagens do filme do realizador japonês têm consciência de que algo num automóvel as faz entrar em diálogo profundo com elas próprias, desafiando o seu mutismo, as suas fugas, as suas manobras de distracção.