Luca: amar, a única escolha possível

Luca é um hino à amizade enquanto valor do amor de amiga/o. Alberto e Luca são aqueles melhores amigos que todas/os gostamos e gostaríamos de ter, pois estabelecem um equilíbrio entre a aventura e a responsabilidade, a irreverência e o vínculo com o lugar seguro em que sabemos que nos podemos apoiar quando mais precisamos.

Foto

Quantas não são as vezes em que desesperamos por um mundo melhor ao encetarmos inúmeras lutas por causas nobres? Causas sociais pelas quais reivindicamos direitos a sermos tratadas/os com dignidade. Todavia, há batalhas em que conseguimos sair vitoriosas/os a partir da bondade, do carinho, do abraço companheiro, do amor. Sem grandes traumas ou arrepios, mas apenas permitindo que o coração fale do chamado “lugar certo”. É com esta perspectiva que a Disney e a Pixar nos apresentam o bondoso, mágico, humano filme Luca.

Não sei como hei-de começar a análise desta longa-metragem porque ainda me encontro com um cintilar nos olhos que despertou o meu coração destes dias de desalento pandémico que temos vivido. A minha intenção não é oferecer um spoiler gratuito ao resumir apenas o conteúdo. Por isso, abordarei esta obra cinematográfica a partir daquilo que, honestamente, mais me interessa: os seus contributos para a construção de uma realidade menos sufocante e mais inclusiva.

Creio que o melhor será começar pelo mais óbvio: o filme é um hino à amizade enquanto valor do amor de amiga/o. Alberto e Luca são aqueles melhores amigos que todas/os gostamos e gostaríamos de ter, pois estabelecem um equilíbrio entre a aventura e a responsabilidade, a irreverência e o vínculo com o lugar seguro em que sabemos que nos podemos apoiar quando mais precisamos. A certo momento da visualização, lembrei-me de outra animação que também adorei – Coco – e da forma como apreciei ambos os filmes por razões distintas. Em Coco (alerta spoiler) assistimos à traição de um amigo para com outro em que a desmedida ambição da fama e do reconhecimento redunda num assassinato sem escrúpulos. O protagonista, Miguel, ao descobrir este acontecimento, tudo faz para repor a verdade e unir-se à família. Por outro lado, com Luca, torna-se impossível ficar indiferente a uma afeição e a uma estima que crescem a cada cena e se tornam mais complexas e unidas.

Amar é uma maneira de incluir. Toda a gente que é amada verdadeiramente sente que nesse bem-querer há uma ligação tão forte quanto os elementos da natureza. Contudo, agir para construir uma sociedade mais valorizadora de cada um dos seus membros não é um empreendimento sem espinhos nem contendas. Giulia ensina esta ideia a Luca e Alberto quando identifica num grupo de rivais um “império maléfico de injustiça” que necessita cair. Este império é uma metáfora para todas/os as/os opositoras/es que, recorrendo à maldade mais ou menos legal, inferiorizam, segregam e excluem como forma de vanglória e de arrecadação de poder. Portanto, o que esta animação nos mostra também é que existe uma esperança de encontrarmos, neste nosso caminho da vida, pessoas boas com energia para a diversão e a defesa do grupo. Com dedicação pelo outro.

Não deixo, finalmente, de constatar uma visão política nesta obra. Não a consigo ignorar dado que a política faz parte de todas as mundivisões e posições que assumimos. Luca foi lançado em meados de Junho, em pleno Mês do Orgulho LGBTI+, ao mesmo tempo que toda a relação entre Alberto e Luca nos deixa um gosto tremendo por esse orgulho e um eventual romance que no futuro pudessem querer ter. Mas, mais do que olhar para esta dialéctica de amizade-paixão, gostaria de me focar na concepção do filme, visto que convoca dimensões relativas à diferença e ao seu papel social. É difícil não perspectivar aqui um certo olhar romântico no que concerne à aceitação da diferença.

Como a doce avó de Luca afirma sobre o neto, “algumas pessoas nunca o vão aceitar, mas outras vão, e ele parece saber encontrar as pessoas certas”. Em contrapartida, encontro no filme uma visão de identificação da diferença em toda a parte, ou seja, a ideia de que todas e todos somos diferença. A viagem que Luca e Alberto pretendem fazer pelo mundo, explorando as suas diferentes maravilhas, ou a oportunidade que Luca ganha de ir para uma escola com Giulia são sinónimos de uma necessidade de as diferenças comunicarem, edificarem pontes, se auto-reconhecerem e, finalmente, se incluírem.

Acredito não estar a fazer jus ao filme e aos sentimentos que em mim emergiram aquando da contemplação de Luca. Ainda assim, fico contente por serem capazes o amor de envolver tanto de política e a política de envolver tanto de amor. Sem dúvida que o natural e o social, unidos, têm tudo de humano.