O “superpoder cultural” da Europa fez a sua fotografia de família no Mosteiro dos Jerónimos

Ministra da Cultura lançou em Lisboa o novo programa Europa Criativa, reforçado com o dobro do orçamento: 2,5 mil milhões de euros.

politica-cultural,comissao-europeia,culturaipsilon,uniao-europeia,governo,europa,
Fotogaleria
A ministra da Cultura, com a comissária Mariya Gabriel (à esquerda) e o vice-presidente Margaritis Schinas (direita), lançou em Lisboa, numa conferência presencial, o reforçado programa Europa Criativa ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA
politica-cultural,comissao-europeia,culturaipsilon,uniao-europeia,governo,europa,
Fotogaleria
Graça Fonseca com Margaritis Schinas, o vice-presidente da Comissão Europeia, e Mariya Gabriel, a comissária para a Inovação, Investigação, Cultura, Educação e Juventude ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA
politica-cultural,comissao-europeia,culturaipsilon,uniao-europeia,governo,europa,
Fotogaleria
ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Foi no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, o cenário das grandes datas europeias para Portugal, desde a adesão à CEE à assinatura do Tratado de Lisboa, que a ministra da Cultura lançou esta quinta-feira o novo quadro do programa Europa Criativa – “o único da União Europeia (UE) exclusivamente dedicado a apoiar os sectores cultural e criativo”, que viu o seu orçamento para os próximos sete anos mais do que duplicar para 2,5 mil milhões de euros.