Álvaro Siza voltou à Piscina das Marés e viajou até à marginal que nunca o deixaram desenhar

Ao fim de quase dois anos, terminaram os trabalhos de recuperação da piscina desenhada pelo Pritzker português na década de 1960. O arquitecto foi ver o resultado final da obra que reabre ao público já no fim-de-semana.

camara-matosinhos,matosinhos,culturaipsilon,alvaro-siza,arquitectura,25-abril,
Fotogaleria
camara-matosinhos,matosinhos,culturaipsilon,alvaro-siza,arquitectura,25-abril,
Fotogaleria
camara-matosinhos,matosinhos,culturaipsilon,alvaro-siza,arquitectura,25-abril,
Fotogaleria
camara-matosinhos,matosinhos,culturaipsilon,alvaro-siza,arquitectura,25-abril,
Fotogaleria
camara-matosinhos,matosinhos,culturaipsilon,alvaro-siza,arquitectura,25-abril,
Fotogaleria
camara-matosinhos,matosinhos,culturaipsilon,alvaro-siza,arquitectura,25-abril,
Fotogaleria

No dia 25 de Abril de 1974, Álvaro Siza tinha marcado na agenda entregar na Câmara de Matosinhos um projecto para toda a extensão da marginal de Leça da Palmeira. Mas por volta das 6h receberia um telefonema que o fez repensar se seria o melhor dia para cumprir o compromisso. Algo estava para acontecer. Já tinha percebido que no Porto havia movimentações de militares. Desconfiou que pudesse estar a acontecer o mesmo em Matosinhos. A revolução já estava na rua.