Crua ou cozinhada, a RuffDog produz comida natural para cães e gatos

Criada por uma médica veterinária e por uma nutricionista clínica, a RuffDog define-se como “um espaço dedicado à alimentação, ao bem-estar do cão e do gato, especialmente focado na alimentação natural”. Crua ou cozinhada, a comida é ajustada a cada animal e produzida pela marca.

Foto
Filipa Fernandez

“As nossas vivências pessoais são aquilo que traça os nossos caminhos também”: assim responde uma das fundadoras da RuffDog, marca portuguesa de alimentação e produtos para cães e gatos, quando questionada acerca do surgimento deste projecto. Rita Nova e Joana Carido da Cunha conheceram-se em 2018, num seminário de treino canino. Rita é médica veterinária, Joana é nutricionista clínica. Para além do interesse pela área, tinham em comum animais de estimação com problemas em digerir ração industrializada. Hoje, ambas têm formação no âmbito da nutrição destes animais e, desde o início de 2020, gerem uma loja em Queijadas, Oeiras.

Com o aumento da compra ou adopção de animais de estimação, nasce também a necessidade de um maior leque de opções no que toca a produtos para os mesmos. “Um espaço dedicado à alimentação, ao bem-estar do cão e do gato e especialmente focado na alimentação natural” é como Joana define a RuffDog, onde produzem semanalmente a comida para os animais. Como consequência da formação em medicina chinesa de Rita, vendem alimentação natural cozinhada, mas também BARF (Biologically Appropriate Raw Food), que consiste numa mistura crua de suplementação, legumes, frutas, vísceras e cerca de 80% de carne. “O ganho está em tentarmos complementar o bom das várias saúdes”, admite a médica veterinária.

Os ingredientes, afirmam, são aptos para consumo humano, “sem excepção”, o que, juntamente com o conhecimento de uma “equipa multidisciplinar”, funciona como factor diferenciador da marca. “A nossa abordagem de equipa, de ambas discutirmos o tema e decidirmos uma abordagem terapêutica - aquilo a que se chama dietoterapia -, acaba por ser feita em conjunto e acho que isso é aquilo que nos destaca de toda a concorrência”, explica Joana.

Apesar de não dar consultas de medicina veterinária, a equipa faz uma avaliação prévia ao animal, tendo em consideração “as patologias todas que existem, intolerâncias, alergias”, de maneira a definir qual a alimentação mais adequada às suas necessidades. De acordo com a nutricionista, este processo é, no entanto, passível de ajustes ao longo do tempo, uma vez que “não é algo estanque”. “Nós fazemos produção semanal e isso é outra das nossas mais-valias, podemos sempre ir ajustando e alterando as coisas à necessidade de cada cão” ou gato, sublinha.

Mesmo que “numa proporção um bocadinho mais pequenina”, uma vez que o projecto era inicialmente direccionado apenas para os cães, a marca tem já oferta do mesmo tipo de produtos para os felinos. Para ambos, vendem ainda brinquedos de estimulação cognitiva, como puzzles de alimentação lenta e guloseimas saudáveis. Têm a preocupação de investir em produtos sustentáveis, feitos tanto de plástico como de partes de animais reaproveitados.

Foto
Rita Nova, veterinária, e Joana Carido da Cunha, nutricionista clínica, são as fundadoras da RuffDog. RuffDog

“Aquilo que tentamos transmitir, sobretudo aos nossos clientes, é, além de uma alimentação saudável, também esta cultura do bem-estar e da preocupação com o animal”, refere Rita. Apesar de “mais cara” – uma avença mensal pode custar entre os 35 e os 40 euros para um gato e entre os 55 e os 180 euros para um cão –, a alimentação natural “acaba por prevenir muitas doenças, poupando imenso em tratamentos veterinários, tal e qual como se passa na saúde humana”.

Texto editado por Ana Maria Henriques