Miguel Oliveira confirma progressos da KTM com vitória na Catalunha

Piloto português dominou a corrida desde a segunda volta e obteve o terceiro triunfo da carreira em MotoGP.

pglobal,miguel-oliveira,motogp,motores,desporto,motociclismo,
Fotogaleria
LUSA/Alejandro Garcia
pglobal,miguel-oliveira,motogp,motores,desporto,motociclismo,
Fotogaleria
Reuters/ALBERT GEA
pglobal,miguel-oliveira,motogp,motores,desporto,motociclismo,
Fotogaleria
Reuters/ALBERT GEA
pglobal,miguel-oliveira,motogp,motores,desporto,motociclismo,
Fotogaleria
Reuters/ALBERT GEA
Fotogaleria
Reuters/ALBERT GEA
Campeonato do Mundo de MotoGP 2013
Fotogaleria
Reuters/ALBERT GEA

Miguel Oliveira (KTM) está em alta e alcançou, neste domingo, a primeira vitória da época no Grande Prémio da Catalunha, sétima etapa do Campeonato do Mundo de MotoGP. O piloto português partiu da quarta posição, assumiu a liderança à segunda volta e depois empreendeu um duelo com Fabio Quartararo (Yamaha) e Johann Zarco (Ducati), impondo-se com grande autoridade.

Depois do segundo lugar obtido há uma semana, em Mugello, não poderia ter havido melhor indicador dos progressos que a KTM tem feito nas últimas semanas. A uma excelente sessão de qualificação, seguiu-se uma corrida tremenda de Miguel Oliveira, que soube defender-se dos ataques e responder a uma ultrapassagem de Quartararo, resguardando-se mais tarde face às investidas de Zarco, nas derradeiras voltas.

Com uma fiabilidade notável (fez quase todas as voltas na casa do 1m40s), o piloto de Almada deu o primeiro triunfo da época à KTM e assinou o terceiro da carreira, depois dos dois alcançados na época passada (GP da Estíria e GP de Portugal). Tudo graças a uma prestação praticamente imaculada.

A escolha de pneus (duro/duro) da KTM acabou por ser certeira, enquanto a concorrência directa alternou entre médio/duro e médio/médio. Oliveira mostrou atributos logo no arranque, saltando imediatamente do quarto para o segundo lugar e, à segunda volta, assumiu mesmo a liderança, aproveitando para ir descolando, aos poucos, dos perseguidores directos.

Joan Mir (Suzuki) começou por ser o adversário imediato do português, mas só até Fabio Quartararo, líder do Mundial, tomar conta do segundo lugar. À quinta volta, Oliveira fazia a volta mais rápida ao circuito de Barcelona e, à sétima, tinha 1,2 segundos de vantagem sobre o francês da Yamaha. Mas a velocidade de ponta da KTM não era suficiente para mantê-lo a uma distância segura.

Depois de 10 voltas na liderança, Miguel Oliveira acabou por ceder o comando a Quartararo, mas o francês não conseguiu capitalizar a ultrapassagem e nunca foi capaz de cavar uma diferença significativa para o português. Apercebendo-se de que poderia aproveitar o momento, o piloto da KTM foi-se aproximando e retomou o comando da corrida à 14.ª volta.

“Fiz uma das melhores corridas da minha carreira. Foi tudo tão difícil, a gestão dos pneus, manter a calma, a pressão do Fabio. Foi uma corrida perfeita. Não posso agradecer o suficiente à KTM por me ter dado uma máquina perfeita neste fim-de-semana. Foi tudo fantástico”, resumiria Oliveira antes da cerimónia do pódio.

Para lá chegar, porém, ainda teria de lidar com a pressão final de Johann Zarco, que aproveitou um erro do compatriota numa curva para, a duas voltas do fim, tomar conta da vice-liderança. Jack Miller (Ducati) também soube tirar proveito dessa circunstância e confirmou o terceiro lugar, numa época de grande consistência para o australiano. 

Mas o dia era mesmo de Miguel Oliveira, que fechou a prova com 40m21,749s, a 0,175s de Zarco, a 1,990s de Miller e a 8,378s do companheiro de equipa, Brad Binder, que terminou na oitava posição. Depois, foi buscar a bandeira de Portugal e passeou-a por uns instantes aos comandos da KTM que tem vindo a aproximar-se, a passos largos, da mota competitiva que o português projectou para esta época.

"Foi uma boa corrida. Levei muito tempo para ultrapassar o Jack e, nas duas últimas voltas, aproveitei um problema que o Fabio deve ter tido. Ainda tentei ir atrás do Miguel, mas ele tinha um ritmo estável”, resumiu Johann Zarco, segundo na corrida e no Mundial de pilotos, agora a 17 pontos de Quartararo. Já Miguel Oliveira subiu à sétima posição, com 54, mais 10 do que o perseguidor directo, Aleix Espargaró (Aprilia) - rosto de um dos vários abandonos na Catalunha, juntamente com Pol Espargaró (5.ª volta), Marc Márquez (9.ª) ou Valentino Rossi (17.ª).